Quimioterapia pode propagar novos cânceres, segundo estudo

de Redação Jornal Ciência 0

quimioterapia-efeitos

A quimioterapia pode fazer com que o câncer se espalhe e se torne mais mortal, segundo novas pesquisas.

 

O tratamento é muitas vezes considerado como a primeira opção para pacientes com câncer de mama para diminuir os tumores. No entanto, cientistas do New York Albert Einstein College of Medicine encontraram evidências de que esta é apenas uma solução de curto prazo.

 

Sua pesquisa sugere que, ao encolher os tumores, a quimioterapia abre simultaneamente uma porta de entrada para que os tumores se espalhem no sistema sanguíneo, facilitando que ele fique mais forte. O câncer torna-se incrivelmente difícil de tratar – muitas vezes fatal – quando se espalha para outros órgãos.

 

O autor principal, George Karagiannis, diz que as descobertas, divulgadas na quarta-feira, não devem impedir os pacientes de buscarem tratamento, mas sugerem que podemos criar uma maneira de monitorar melhor o movimento do tumor em pacientes submetidos à quimioterapia.

 

Uma abordagem seria obter uma pequena quantidade de tecido tumoral após algumas doses de quimioterapia pré-operatória“, disse Dr. Karagiannis ao Telegraph.

 

Se observarmos que as pontuações dos marcadores são aumentadas, recomendamos a descontinuação da quimioterapia e a cirurgia em primeiro lugar, seguida da quimioterapia pós-operatória“.

A quimioterapia pode ser administrada como uma pílula ou através de um gotejamento intravenoso. Este não é o primeiro estudo a demonstrar as formas como a quimioterapia pode desencadear cânceres secundários. Um estudo de 2012 realizado pelo Centro de Pesquisa de Câncer Fred Hutchinson em Seattle descobriu que a quimioterapia ativa células saudáveis ​​para estimular o crescimento do tumor.

 

O autor principal Peter Nelson, professor de biologia humana, disse que, em teoria, a quimioterapia é perfeita para matar células cancerosas. No entanto, ele disse que a dose necessária para matar tumores é letal para os pacientes.

 

Como tal, os médicos têm que administrar uma dose mais baixa, resultando em duas desvantagens principais. Primeiro, facilita a disseminação perigosa. Em segundo lugar, permite que algumas células tumorais sobrevivam, se tornem resistentes à quimioterapia e se espalhem para outros órgãos.

 

O câncer secundário também é referido como câncer metastático. Isso significa que o câncer se espalhou do lugar original para outro órgão, através dos gânglios linfáticos. Isso também é chamado de câncer do estágio 4, a última etapa. Pode ser extremamente difícil de tratar, uma vez que os tumores tendem a ser mais agressivos e resistentes. Em muitos casos, os tumores podem ficar em áreas delicadas que podem ser perigosas de operar.

Atualmente estamos planejando ensaios mais amplos para resolver o problema”, disse Dr. Karagiannas. “Neste estudo, nós apenas investigamos a disseminação de células cancerígenas induzidas por quimioterapia no câncer de mama. Atualmente, estamos trabalhando em outros tipos de câncer para ver se efeitos semelhantes são provocados”, completou.

[ Daily Mail / Independent / Science Mag ] [ Foto: Reprodução / Jornal Ciência ]