Vídeo expõe racismo de profissionais de RH no Brasil

de Merelyn Cerqueira 0

Em um experimento realizado pelo governo do Estado do Paraná, feito sob uma campanha que reflete o racismo dentro das instituições, é possível ver a diferença das reações dos profissionais de recursos humanos em relação a fotos que mostram pessoas negras e brancas realizando as mesmas atividades.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

O experimento, que foi confirmado como real pelo Governo do Estado do Paraná, aconteceu na noite do dia 10 de novembro em Curitiba. Os profissionais foram separados em dois grupos distintos para emitirem opiniões espontâneas em relação a uma série de fotografias apresentadas por um mediador.

No processo, os funcionários deveriam opinar a respeito do que as pessoas fazem ou quem eram. Pessoas negras e brancas executavam as mesmas tarefas nas fotos, mas as impressões dos recrutadores mudam de acordo com a cor do indivíduo na fotografia. A campanha, chamada “Racismo é Crime”, já foi vista por mais de 1,8 milhão de pessoas e mais uma vez reacende o debate de um problema enraizado na cultura global. Além disso, atenta para o fato da existência de um racismo institucional e velado.

De acordo com dados do IBGE, cerca de 82,2% dos negros afirmam que a cor da pele influencia diretamente a busca por oportunidades de trabalho. O vídeo foi veiculado no Dia da Consciência Negra, celebrado no dia 20 de novembro em todo o Brasil.

Apesar de muitos usuários na internet questionarem a veracidade do experimento, Edson Lau Filho, secretário de Juventude do governo paranaense, afirmou em entrevista ao portal UOL que foi real e feito em uma empresa de RH de Curitiba. Ele disse ainda que a campanha é um “tapa na cara da sociedade” que insiste em acreditar que o racismo não existe.

[ Mundo Conectado ] [ Foto: Reprodução / Facebook ] 

Jornal Ciência