“Mamãe, um dia vou ficar branco?”, pergunta chorando menino de 5 anos xingado de “cocô” na escola; veja vídeo

O choro e as indagações, de um menino de apenas 5 anos, comoveram a internet após a mãe perceber que o garoto sofria ao ir à escola

de Redação Jornal Ciência 0

A estilista Claudete Alphonsus notou que seu filho sofria ao ir à escola. A mãe expôs nas redes sociais o caso de racismo ocorrido dentro da instituição de ensino.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Com apenas 5 anos de idade, o menino sente o impacto doloroso do racismo e pergunta à mãe se um dia mudará de cor: “Mamãe, um dia vou ficar branco?”.

A criança explica para sua mãe que os colegas de classe o comparam com cocô: “… cor de cocô é marrom”, diz chorando a criança.

Claudete Alphonsus disse que começou a perceber um certo desânimo do filho em ir à escola e na última sexta-feira (16/09), resolveu conversar com ele para entender o que poderia estar ocorrendo.

“Foi a coisa mais dolorosa de ouvir. Eu sentir meu coração dilacerar, partir em pedacinhos, sofri com ele, chorei com ele e peço a todos que cuidem dos filhos de você tomem conta do mental de seus filhos pretos e não permitam que machuquem. Nem permitam que eles façam seus filhos acharem que é feio por se marrom!”, disse Claudete.

No vídeo, com muito carinho e cuidado, a mãe tenta reforçar a autoestima da criança: “Você não precisa ser branquinho. Você nasceu pretinho e lindo”.

“Crianças em contextos de desigualdades são vítimas do racismo nas escolas, nas ruas, nos hospitais ou aldeias e, às vezes, dentro de suas famílias, deparando-se constantemente com situações de discriminação, de preconceito ou segregação”, salientou a estilista.

A mãe ainda cita questões científicas de neurociência sobre os danos que o racismo pode gerar em um cérebro infantil ainda em formação.

“Afirma-se que o preconceito sofrido na infância pode causar impactos sérios no desenvolvimento infantil, já que quando os sistemas de resposta ao estresse das crianças permanecem ativados em níveis elevados por longos períodos, isso pode ter um efeito significativo de desgaste no cérebro em desenvolvimento e em outros sistemas biológicos”, salientou. Veja o vídeo abaixo:

Fonte(s): O Tempo / Estado de Minas / Metro World News Imagens: Reprodução / Instagram

Jornal Ciência