Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Um comprimido e o consumo moderado de bebidas poderiam ser a cura para o alcoolismo

de Otto Valverde 0

Há muito que os alcoólatras sofrem para passar pela longa e tortuosa estrada de recuperação para a abstinência absoluta. No entanto, esse problema pode estar próximo do fim, graças a um tratamento pouco conhecido que aparentemente oferece o impossível: uma recuperação pelo consumo moderado de bebidas, de acordo com informações do jornal Daily Mail.

 

O programa, chamado de método Sinclair, utiliza como antagonista um opiáceo conhecido como Naltrexona (cloridrato de naltrexona), e promete ser uma nova esperança para quem quer se livrar do vício, mas sem se abster completamente do álcool. Basicamente, os pacientes tomam uma pílula uma hora antes da primeira dose de álcool. O medicamento, por sua vez, age bloqueando a liberação de endorfina no cérebro, tornando a bebida menos viciante.

 

Desenvolvido na década de 1970, o método Sinclair utiliza drogas opiáceas de controle, autodisciplina e, paradoxalmente, doses moderadas de álcool, para dar aos viciados uma nova chance. Curiosamente, a taxa de sucesso do método é de 80%. A Naltrexona, que é recomendada pelo Instituto Nacional de Excelência em Saúde e Cuidados (NICE), do Reino Unido, funciona através do bloqueio de receptores que desencadeiam a liberação de endorfinas associadas ao consumo do álcool. Quando utilizada sistematicamente, é capaz de mudar comportamentos viciantes e efetivamente pará-los.

alcoolismo_02

Em essência, enquanto trabalham o controle do vício, os usuários do método ainda podem desfrutar de suas cervejas favoritas, vinhos ou outras bebidas, mas com moderação. De acordo com Dr. Josh Berkowitz, das Contral Clinics, de Londres, os programas tradicionais de recuperação baseiam-se em um modelo muito antiquado. “Um que é quase bíblico, em que álcool é considerado o mal”, disse Josh Berkowitz ao Daily Mail. “De certa forma isso é correto – o álcool pode ser ruim em mãos erradas, mas esse tratamento permite que as pessoas permaneçam sociáveis e não tenham medo das reuniões públicas. Isso é muito mais realista do que a abstinência total. As pessoas querem essa opção”.

 

Para participar, a pessoa deve primeiro passar por um período de cinco dias de desintoxicação clínica, em que é tratada com multivitamínicos e aminoácidos. Segundo Dr. Berkowitz, essa preparação serve para reparar alguns danos causados pelo consumo crônico do álcool. Eles estão, muitas vezes, desnutridos e isolados fisicamente”, disse. “Não estão comendo corretamente e dependem do álcool para consumir suas calorias, assim a ação de nutrição melhora condição da saúde para o resto do tratamento”.

 

O próximo passo então é a administração da Naltrexona, juntamente com uma pequena ingestão diária de álcool. “Nós aconselhamos o paciente a beber todos os dias durante 10 dias, tomando os comprimidos conforme as instruções”, explicou. Segundo ele, com isso, a mente e corpo do paciente podem entender a relação entre o consumo de álcool e os efeitos da Naltrexona. Para isso, basta tomar um comprimido uma hora antes de quando planejam beber.

 

Cura milagrosa?

Segundo o médico, o homem por trás do método Sinclair acreditou em uma possível extinção das endorfinas para o tratamento do alcoolismo. “Mas isso não é estritamente verdadeiro”, disse. “Na verdade, ele só as reduz a um nível muito baixo”, continuou. “Não funciona em 100% dos casos, mas é muito eficaz para a maioria”. O método não pode ser visto como uma cura milagrosa, embora deva-se considerar a taxa de sucesso. No entanto, para isso, é absolutamente necessária a determinação e vontade do interessado, conforme apontou o médico.

 

Por outro lado, os críticos do método argumentam que o alcoolismo é algo muito mais complexo. De acordo com um porta-voz da Alcohol Concern, do Reino Unido, o método é interessante, mas, “talvez devêssemos considerar que tratar um problema de alcoolismo é muito mais do que tomar um comprimido”. Há muitas razões pelas quais as pessoas bebem, e as intervenções farmacológicas nunca podem substituir o apoio pessoal que realmente podem fazê-las entender o que querem mudar em suas vidas”, disse.

[ Daily Mail ] [ Fotos: Reprodução / Daily Mail / Flickr

Jornal Ciência