Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Relatório descobre que remédio “milagroso” que promete curar hepatite C não funciona

de Merelyn Cerqueira 0

Um relatório realizado por pesquisadores da Cochrane Collaboration em Copenhague, na Dinamarca, descobriu uma droga aclamada como “milagrosa”, que promete limpar o sangue da hepatite C, não funciona.

Apesar de custar mais de 130 mil reais, o remédio não impede que o vírus continue no corpo. A hepatite C é considerada a infecção transmitida pelo sangue mais comum dos EUA.

No entanto, os pacientes que receberam esperança com a descoberta de um medicamento antiviral de ação direta que promete limpar o sangue em 12 semanas – por um salgado preço de 40 mil dólares – foram decepcionados pelo fato de que cientistas não encontraram evidências válidas de seu funcionamento.

Basicamente, os pesquisadores descobriram que, embora a droga possa livrar o sangue do vírus, ela não pode livrar completamente o corpo da infecção. 

A pesquisa sobre medicamentos antivirais de ação direta (DAAs) foi realizada pela Cochrane Collaboration, uma rede global independente de pesquisadores. Eles concluíram que, “a falta de evidências válidas e a possibilidade de prejudicar pessoas com hepatite crônica devem ser consideradas antes de se tratar pessoas com DDAs”.

Em suma, os cientistas declaram que a droga até pode eliminar a hepatite C da corrente sanguínea, mas não há evidências de que possa salvar vidas, uma vez que o vírus continuará no corpo e levará a doença ao estágio final. 

O relatório foi feito com base em compilações de uma série de resultados de ensaios de DDAs de diferentes fabricantes. Segundo os pesquisadores, essas empresas não examinaram adequadamente se os sintomas da doença ou as taxas de mortalidade foram afetados pelos DDAs.

“Nunca é possível mostrar que algo não funciona, mas não há evidências [que eles funcionem]”, disse Janus Christian Jakobsen, médico em uma unidade de ensaios clínicos em Copenhague.

“Nossos resultados indicam que as drogas podem não ter nenhum efeito clínico”. A empresa AbbVie, uma empresa que produz um desses DDAs, respondeu que não reconhece os resultados do relatório.

“Não reconhecemos as conclusões deste relatório, já que ensaios controlados e experiências do mundo real contradizem suas descobertas”, disse ao The Guardian. “Uma cura em [hepatite C] é definida com o vírus indetectável ​​no sangue em 12 semanas após o término do tratamento e, no Reino Unido, menos de 1% das pessoas tratadas com a terapia da AbbVie conseguiram isso”.

A hepatite C é uma inflamação do fígado para a qual não há vacinas preventivas. Ela é transmitida pelo contato com o sangue contaminado, que pode ocorrer pelo compartilhamento de agulhas, navalhas, escova de dente ou durante a gravidez, por exemplo. O vírus tende a se desenvolver para uma infecção crônica após seis meses.

Então, esta ataca o fígado, levando à cirrose ou ao câncer de fígado. A taxa de sobrevivência relativa é de cinco anos para casos de câncer localizado (que não entram em metástase), de acordo com a American Cancer Society.

Fonte: Daily Mail Fotos: Reprodução / Daily Mail

Jornal Ciência