Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Segundo estudo, ibuprofeno pode não ser tão seguro quanto você pensa

de Julia Moretto 0

Os medicamentos que controlam inflamação estão entre as drogas mais utilizadas pelas pessoas. Comprados sem receita médica, eles podem aliviar dores de cabeça e nas costas.

Em doses mais elevadas, podem reduzir a inflamação de condições crônicas como Osteoartrite ou Artrite Reumatoide. Mas estudos recentes têm questionado sua segurança. A Food and Drug Administration (FDA) reforçou os avisos para indicarem o risco de ataque cardíaco e derrame em suas embalagens.

Mas os mais preocupantes foram os riscos cardíacos ligados a uma nova classe de anti-inflamatórios não esteroides (AINEs), os inibidores da COX-2. Os inibidores da COX-2 deveriam ser mais leves para estômago e intestinos, uma vez que tipicamente os AINEs ativavam substâncias químicas que comprometiam o revestimento protetor desses órgãos, ocasionando sangramento e dor.

Foi então que os pesquisadores descobriram que a suavidade para os intestinos, não compensava o risco para o coração. Dois dos inibidores da COX-2 foram removidos do mercado porque os causavam maior risco de ataque cardíaco e AVC.

Isso ainda deixou o Celebrex no mercado, mas as preocupações levaram a FDA a exigir que seu fabricante, Pfizer, realizasse estudos adicionais para garantir que o celecoxibe não aumentava o risco de problemas cardíacos. Agora, os resultados do estudo mostram que, ao contrário do que os médicos e reguladores esperavam, o celecoxibe não aumenta o risco de eventos cardíacos em relação ao ibuprofeno ou naproxeno. Na verdade, celecoxibe pode até causar menos problemas renais do que os outros dois AINEs.

Eu nunca teria adivinhado esses resultados“, diz o principal autor do estudo, Dr. Steven Nissen, presidente de Medicina Cardiovascular na Cleveland Clinic. “O mundo inteiro disse por uma década que se for para tomar um AINE, você deve provavelmente tomar naproxeno porque é o mais seguro. Nós simplesmente não vemos isso nesses resultados. Em quase todas as medidas, o ibuprofeno parece o pior, o naproxeno é intermediário e o celecoxibe é o melhor“, completou.

O estudo, publicado no New England Journal of Medicine, e que Nissen irá apresentar na American Heart Association, envolveu mais de 24.000 pessoas com problemas cardíacos que precisavam tomar um AINE para tratar doenças como Artrite e Artrite Reumatoide. Cada pessoa tomou um dos três medicamentos por dois anos, depois os pesquisadores as acompanharam por mais três anos para evitar ataques cardíacos, acidentes vasculares cerebrais ou óbitos.

As pessoas que tomaram celecoxibe não mostraram taxas mais altas destes eventos do que aqueles que tomaram ibuprofeno ou naproxeno. Quando Nissen e sua equipe analisaram os problemas renais, encontraram menor risco entre os que tomavam celecoxibe do que entre as pessoas que tomaram ibuprofeno.

Esses resultados negam a noção preconcebida de que os inibidores da COX-2 estão associados ao aumento do risco cardíaco“, explica Dr. Nitin Damle, presidente do American College of Physicians. As preocupações anteriores sobre inibidores da COX-2 e problemas cardíacos levaram muitos a prescreverem ibuprofeno e naproxeno para o tratamento de pessoas com os males descritos. Só indicavam celecoxibe se o paciente tivesse problemas de estômago. Agora isso pode mudar.

No entanto, as pessoas que tomam AINEs ocasionalmente ou por curtos períodos de tempo não precisam se preocupar em relação ao risco cardíaco. O estudo não incluiu pessoas saudáveis sem problemas no coração. Além disso, o uso da droga em curto prazo não apresenta o mesmo do uso a longo prazo.

Nissen também observa que quase 70% dos participantes no estudo pararam de tomar a medicação porque ficaram frustrados pela ineficácia e mudaram de tratamento. Mas a proporção que parou o tratamento em cada grupo foi aproximadamente a mesma, o que significa que os resultados se manteriam proporcionais de qualquer forma. O estudo também não aborda as pessoas que tomam doses mais elevadas de qualquer um dos medicamentos. As pessoas receberam doses de 100mg de celecoxibe duas vezes ao dia, 600mg de ibuprofeno três vezes ao dia e naproxeno 375mg duas vezes ao dia.

Os cientistas ainda não sabem se vão usar o celecoxibe para tratar as condições de dor crônica. Os planos de saúde do país cobrem ibuprofeno e naproxeno como primeira opção porque estudos mostraram que são mais eficazes em relação aos sintomas da dor. A pesquisa também não abordou a eficácia do celecoxibe em comparação às outras drogas, mas mostrou que é tão seguro quanto elas para o coração.

Isso significa que as pessoas que precisam tomar analgésicos anti-inflamatórios por longos períodos de tempo devem considerar celecoxibe como uma opção viável, uma vez que ele não aumenta o risco de problemas cardíacos e pode até diminuir o risco de problemas renais. “Eu acho que esse estudo realmente muda a impressão de que os inibidores da COX-2 aumentam o risco cardíaco“, diz Damle. “Agora parece que eles têm risco semelhante ao dos não esteroides, como ibuprofeno ou naproxeno“.

[ Fonte: Time ]

[ Foto: Reprodução / Pixabay ]

Jornal Ciência