Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Noruega agora declara não ter evidências sobre ligação entre mortes de idosos e vacina da Pfizer

O país havia informado, anteriormente, que suspeitava da morte de 33 idosos acima de 75 anos após tomarem a vacina da Pfizer.

de Thuany Motta 0

As autoridades de saúde da Noruega procuraram diminuir as preocupações de segurança levantadas pelas mortes de pacientes idosos depois que eles foram vacinados contra a Covid-19 usando a vacina da Pfizer.

Agora, as autoridades de saúde do país dizem não ter mais dúvidas e afirmam que não há evidências de uma ligação direta entre os óbitos e a vacina.

Ao todo, foram registradas 33 pessoas com 75 anos ou mais que morreram após a vacinação. Dessa vez o país ressaltou que todos já estavam gravemente doentes, de acordo com os últimos dados da Agência Norueguesa de Medicamentos.

Ainda segundo a agência, as fatalidades relatadas são bem menos de 1 em cada 1.000 pacientes de asilos a serem vacinados e os efeitos colaterais da imunização podem, em alguns casos, levar os pacientes a um curso mais sério da doença subjacente.

“Claramente, a Covid-19 é muito mais perigosa para a maioria dos pacientes do que a vacinação”, disse Steinar Madsen, diretor médico da agência na última segunda-feira (18/01), em entrevista à Bloomberg. Ele acrescentou ainda que é difícil provar uma conexão entre a vacina e as mortes. “Não estamos alarmados.”

O país escandinavo já imunizou quase toda a sua população de lares de idosos, com mais de 48 mil pessoas atendidas até ontem, (18/01).

Mortes diárias

“É importante lembrar que cerca de 45 pessoas morrem todos os dias em lares de idosos na Noruega, então não é um dado que isso represente qualquer excesso de mortalidade ou que há uma conexão causal”, afirmou Camilla Stoltenberg, chefe do Instituto de Saúde Pública da Noruega, em uma coletiva de imprensa.

Até sexta-feira, a Noruega havia usado apenas a vacina fornecida pela Pfizer e BioNTech. As empresas agora estão trabalhando com o país nórdico para investigar as mortes. O primeiro relatório de segurança europeu sobre a vacina Pfizer-BioNTech será publicado no final de janeiro.

Fonte(s): Bloomberg Foto Principal: Reprodução Pixabay / Torstensimon

Jornal Ciência