Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Cogumelos recreativos são mais seguros do que álcool, de acordo com estudo global

de Julia Moretto 0

De acordo com a 2017 Global Drug Survey, os cogumelos alucinógenos são uma das mais seguras drogas recreativas.

A pesquisa sobre drogas envolveu 120 mil pessoas espalhadas por 50 países. Ela busca analisar os tipos de drogas que as pessoas usam, a frequência que tomam, por que consomem e quais efeitos – positivos ou negativos – que causam. 

Os resultados são ligeiramente distorcidos pelo fato de que as pessoas têm de se lembrar de sua própria história com as drogas e responder honestamente, embora anonimamente.

Segundo a pesquisa, os cogumelos foram considerados a droga mais segura, com apenas 0,2% dos usuários dizendo que precisaram de ajuda médica depois. Em contraste, o MDMA, o LSD e as taxas de ajuda pós-consumo da cocaína eram cerca de cinco vezes maiores.

A pesquisa sugere que escolher o tipo errado de cogumelos pode causar problemas. A metanfetamina foi a droga mais perigosa com 8,2% dos usuários precisando de assistência de emergência mais tarde. A cannabis sintética (2,2%) e o álcool (1,4%) foram segundo e terceiro, respectivamente. Esta classificação é baseada em dano pessoal, no entanto, não danos indiretos aos outros.

Com isso em mente, dois dos mais abrangentes estudos científicos sobre o uso de drogas já realizados concluíram que o álcool é a droga mais perigosa devido ao alto nível de danos que causa para o usuário e para os outros ao seu redor. Por outro lado, os cogumelos foram classificados muito mais seguros por razões opostas.

A pesquisa revela que 99% dos entrevistados consumiram álcool em algum ponto durante suas vidas; 78% experimentaram cannabis e 63% fumaram tabaco. A MDMA, consumida por 34% das pessoas, foi a droga ilegal mais popular depois de tabaco com cannabis, que foi fumado por 55% das pessoas. A droga menos popular foi mefedrona, registrando apenas 1,9% de compartilhamento.

Nem todos os países responderam em igual medida. A Alemanha apresentou 36 mil entrevistados, enquanto a França só teve 500 participantes. Aproximadamente 90% dos voluntários eram brancos e cerca de 50% tinham diplomas universitários. É seguro dizer que esta pesquisa, embora perspicaz, não represente um grupo demográfico particularmente amplo.

Fonte: IFL Science Fotos: Reprodução / IFL Science

Jornal Ciência