Cientistas desenvolveram uma casca de ovo transparente que permite o monitoramento do crescimento de um embrião em laboratório.

 

Embora o “ovo” seja artificial, o embrião de ave inserido no interior é real, permitindo que os pesquisadores obtenham uma visão única sobre como eles se desenvolvem.

ovo-sem-a-casca

O embrião em destaque no vídeo não é chocado para se transformar em uma ave adulta, mas os cientistas dizem que seus métodos podem permitir que embriões sejam manipulados para que se entenda como os vários processos biológicos funcionam. O método seria um avanço em tecnologias “Lab-on-a-chip“, que pode simular uma variedade de órgãos como o coração, rins ou pele.

 

O objetivo é usar as células-tronco para fazer réplicas em miniatura de órgãos e ver como eles reagem a medicamentos e tratamentos. Uma vantagem de fazer isso é que, em vez da realização de ensaios em animais de laboratório, os testes podem ser feitos em órgãos específicos.

ovo-sem-a-casca_2

Os embriões, no entanto, são particularmente difíceis de serem replicados. Essa é a primeira vez que um ovo “on-a-chip” foi criado em laboratório. Os dois cientistas do Departamento de Engenharia Biomédica da Faculdade de Medicina da Universidade de Tsinghua, em Pequim, publicaram sua pesquisa na revista Science China – Ciências Tecnológicas.

 

A casca artificial corresponde à forma e à curvatura de uma casca de ovo real, utilizando uma camada transparente de polidimetilsiloxano (PDMS) – um polímero orgânico à base de silício. É também macio para imitar a textura de uma concha real.

 

Em experiências realizadas por quase dois anos, os cientistas construíram uma série de ovos artificiais. Eles, então, cultivam embriões de aves por até 17,5 dias – um pouco menos tempo que os 20 dias necessários para a sua eclosão, de acordo com a Science Alert. Um vídeo em que o embrião é visto movendo-se no interior do ovo fornece um método mais fácil de observar a evolução de um embrião ao longo do tempo.

 

Anteriormente, os cientistas tiveram que confiar em um método conhecido como “janela” para analisar os processos em curso dentro de um ovo. Essencialmente, o processo envolve a remoção de parte da casca e a sua substituição por um material transparente. Em seu estudo, os pesquisadores dizem que o novo método “promete uma estratégia de futuro para a tecnologia lab-on-a-chip, que pode ser importante em uma ampla variedade de áreas, tanto de fundamentos quanto práticas“.

 

As aplicações práticas garantem que um ovo tenha o potencial de funcionar como um sistema de amplificação. Espera-se que o método possa ser um precursor em experimentos semelhantes de laboratórios, usados para embriões humanos.

[ Daily Mail / Diário de Biologia / The Washington Post ] [ Fotos: Reprodução / Daily Mail ]

Jornal Ciência