Açafrão: seu poder em combater o câncer pode ser 500x maior do que se pensava, diz estudo

de Merelyn Cerqueira 0

A cúrcuma, também conhecida como açafrão-da-terra, é uma especiaria muito utilizada na culinária indiana – e também brasileira, especialmente na região Nordeste.   

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Vendida na forma de um pó alaranjado, ela já foi associada uma série de benefícios para saúde, incluindo prevenção e tratamento da doença de Alzheimer. Mais recentemente, um estudo descobriu que ela pode ajudar a combater algumas formas de cânceres e a tornar as drogas atualmente utilizadas para combater a doença mais eficazes.

Cientistas descobriram que o tempero popular pode retardar o crescimento de tumores de mama e sangue, uma vez que é capaz de tornar as células cancerosas menos reprodutivas, segundo informações do Daily Mail. 

Há décadas pensa-se que a cúrcuma tem habilidade de combater o câncer. O estudo recente, no entanto, verificou que esse poder pode ser 500 vezes maior do que era imaginado anteriormente. O estudo foi feito por pesquisadores da Universidade da Califórnia (EUA).

Exames laboratoriais descobriram que, quando combinado com um medicamente comumente utilizado para um tipo específico de câncer no sangue, o tempero ajudou-o a funcionar melhor, bem como reduziu os efeitos colaterais. 

De acordo com os pesquisadores, o resultado do experimento, que foi feito apenas em ratos até o momento, foi inesperado.

A cúrcuma, segundo eles, pode ser utilizada no combater ao câncer porque, quando entra na corrente sanguínea, se liga a um tipo específico de enzima chamada DYRK2. Então, quando estão conectados, as células não podem se reproduzir tão rapidamente.

No entanto, para que funcione de maneira eficaz, o tempero precisa ser modificado para entrar na corrente sanguínea e permanecer no corpo tempo suficiente para que seja capaz de atingir o câncer.

Sendo assim, devido a desvantagens químicas, ele sozinho não é suficiente para reverter o câncer em pacientes humanos, conforme informou um dos pesquisadores, Sourav Banerjee, mas o papel na prevenção do câncer consumindo o tempero é inegável e sustentado por vários estudos e médicos ao redor do mundo. 

O foco do estudo agora, será desenvolver um composto químico que possa atingir a DYRK2, oferecendo novas oportunidades de tratamento para pacientes com câncer de mama triplo-negativo e mieloma múltiplo.

Fonte: Daily Mail Foto: Reprodução / Jornal Ciência

Jornal Ciência