Samsung condenada a pagar R$ 50 milhões por anúncios enganosos de aparelhos resistentes à água

A decisão veio de um juiz da Austrália que considerou que vários modelos não eram tão resistentes quanto mostrava os comerciais

de Redação Jornal Ciência 0

A decisão saiu nesta quinta-feira (28/07), através de um juiz australiano que ordenou que a Samsung pague 14 milhões de dólares australianos, equivalente a quase R$ 50 milhões!

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

As informações são da agência Associated Press, de acordo com a ABC News. Segundo a decisão, a multa ocorre por anúncios enganosos sobre a resistência à água de alguns de seus telefones. Os anúncios promoveram os recursos relacionados à água de sete modelos Galaxy da Samsung lançados de 2016 a 2018.

Os modelos citados são S7, S7 Edge, A5, A7, S8, S8 Plus e Note 8. O portal CNET disse que apesar das alegações de resistência à água, no entanto, consumidores descobriram que as portas de carregamento poderiam ser danificadas se carregassem o telefone enquanto ainda estivesse molhado.

Ainda segundo a CNET, a Samsung vendeu 3,1 milhões desses modelos na Austrália, mas o número de clientes afetados, ou que se sentiram afetados, é desconhecido.

“As alegações de resistência à água da Samsung Austrália promoveram um importante ponto de venda para esses telefones Galaxy. Muitos consumidores que compraram um telefone Galaxy podem ter sido expostos a anúncios enganosos antes de tomarem a decisão de comprar um novo telefone”, disse Gina Cass-Gottlieb, presidente da Comissão Australiana de Concorrência e Consumidores.

A Samsung ainda deve pagar 200.000 dólares australianos (mais de R$ 700.000) para cobrir os custos da investigação. De acordo com a CNET, a empresa concordou com as multas e tem 30 dias para quitá-las.

“Esta penalidade é um forte lembrete para as empresas de que todas as alegações de produtos devem ser fundamentadas”, disse Cass-Gottlieb. A Samsung foi procurada pela CNET para comentar o caso e a decisão judicial, mas até o momento não houve resposta por parte da empresa.

Fonte(s): CNET / ABC News Imagens: Reprodução / Sarah Tew / CNET

Jornal Ciência