Produto usado nos açougues pode trazer consequências fatais

de Julia Moretto 0

Apesar de a indústria alimentícia estar muito avançada, há sempre a chance de ingerirmos algo prejudicial à nossa saúde. Por esse motivo, é necessário tomar todas as precauções possíveis e realizar pesquisas antes de comprar alguns alimentos no supermercado e em restaurantes.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Quando o assunto é carne, o cuidado deve ser redobrado. Muitos açougues e restaurantes estão usando um produto conhecido como “meat glue” e ingeri-lo pode ter consequências fatais.

A chamada “meat glue” (ou “cola carne” em tradução livre) é usada pela indústria para adicionar pedaços menores de carne a um pedaço maior. Segundo o American Meat Institute, esse método pode ser usado em qualquer tipo de carne ou peixe. A técnica produz grandes pedaços de carne a partir de cortes menores. Os pesquisadores testaram 20 amostras de carne de supermercado e encontraram o produto em apenas duas das amostras, uma de salmão e outra de peru.

Durante décadas, a única fonte comercial viável de “meat glue” era o fígado de cobaias. Atualmente o produto pode ser obtido de maneira muito mais barata. No entanto, o futuro desse tipo de carne permanece incerto devido a “dificuldades de comunicação”, ou seja, má reputação.

Uma das razões da indústria utilizar enzimas para colar carne é que novos pedaços podem ser feitos a partir de cortes subutilizados. Por exemplo, você pode produzir uma peça com a adição de até 5% de tendões e algumas pessoas não identificam diferenças. Isso tem levantado preocupações de segurança alimentar: há um risco de que as sobras possam danificar a carne reconstituída.

Além disso, as pessoas que têm problemas com glúten podem desenvolver outros quadros quando ingerem esse tipo de carne, uma vez que “meat glue” pode induzir reações autoimunes.

[ Fonte: Boredom Therapy / Nutrition Facts ]

[ Foto: Reprodução / Youtube ]

Jornal Ciência