Por que você nunca deve beber a água amanhecida no copo que você deixou ao lado da cama?

de Bruno Rizzato 0

Levar um copo de água para deixar na cabeceira da cama antes de dormir é comum para grande parte das pessoas. Porém, poucos sabem que beber esta mesma água no dia seguinte é um risco para a saúde.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

De acordo com Susan Richardson, química da Universidade da Carolina do Sul, nos EUA, mesmo sem um estudo realizado para focar justamente neste caso, deixar a água parada durante a noite pode desencadear problemas já conhecidos por conta de efeitos químicos de sua composição em contato com o ambiente. 

Primeiramente, é preciso levar em conta a temperatura. A água de filtros e torneiras, antes de ir parar no copo, estava armazenada em tubulações subterrâneas, geralmente em temperaturas mais frias. No ambiente da sua casa, a temperatura da água aumenta, alterando o aroma e o gosto.

Além disso, o cloro adicionado pelas estações de tratamento, por ser volátil (ou seja, evapora-se facilmente), acaba se dissipando no ar. O gás dissolvido libera dióxido de carbono na água, formando ácido carbônico, diminuindo o pH do líquido. Isso, de acordo com Susan, dificulta que a amostra de água continue pura.

A conclusão da especialista é que, em apenas 30 minutos de exposição, uma água purificada torna-se impura.

Quando a água é resfriada, ainda acumula os gases dissolvidos, liberando mais oxigênio. Porém, quando a exposição prolonga-se por dias, as bactérias da espécie Streptomyces coelicolor produzem as substâncias geosmina e 2-metilisoborneol que entram em ação e alteram o sabor da água.

Com isso, pode-se pensar que deixar a água em uma garrafinha, ao lado da cama, pode ser a solução. Porém, pode ser ainda pior, por conta do Bisfenol-A, presente em plásticos, como o PET. 

Em uma noite muito quente, o Bisfenol-A pode ser liberado na água, causando descontrole hormonal, podendo levar ao câncer e infertilidade masculina. Um exame de urina pode detectar um aumento de até 69% de Bisfenol-A, caso o uso de PET seja frequente, de acordo com uma pesquisa da Universidade de Harvard.

Fonte: Wired Foto: Reprodução / Segredos do Mundo

Jornal Ciência