A água mais distante do universo até então acaba de ser detectada

de Redação Jornal Ciência 0

Astrônomos anunciaram a detecção da água mais distante já encontrada no universo. Uma equipe usando o Atacama Large Millimeter Array (ALMA) observou a preciosa molécula da água — uma substância necessária para a vida como a conhecemos — na galáxia SPT0311-58.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Esta enorme galáxia está localizada a 12,88 bilhões de anos-luz da Terra. A equipe de cientistas relatou as descobertas na revista The Astrophysical Journal.

Acredita-se que a galáxia seja um sistema de fusão feito de duas galáxias que se colidiram. A dança gravitacional está juntando os gases, criando muitas estrelas novas e, entre as estrelas, uma química interessante está ocorrendo, como a formação de moléculas de água e monóxido de carbono.

“Usando observações do ALMA de alta resolução de gás molecular no par de galáxias conhecidas coletivamente como SPT0311-58, detectamos moléculas de água e de monóxido de carbono na maior das duas galáxias. Estes elementos são essenciais para a vida como a conhecemos”, disse o principal autor do estudo, Dr. Sreevani Jarugula, da Universidade de Illinois, em comunicado à imprensa.

“Esta galáxia é a galáxia mais massiva atualmente conhecida da época em que o Universo ainda era muito jovem. Ela tem mais gás e poeira em comparação com outras galáxias do início do Universo, o que nos dá muitas oportunidades potenciais para observar moléculas abundantes e entender melhor como esses elementos criadores de vida impactaram o desenvolvimento do início do Universo”, acrescentou o Dr. Jarugula.

A água é a terceira molécula mais comum no cosmos. O primeiro é o hidrogênio molecular — onde dois átomos de hidrogênio se emparelham — e o segundo é o monóxido de carbono. Moléculas mais complexas conhecidas como “poeira” são aquecidas pela luz ultravioleta e então a emitem na porção infravermelha do espectro eletromagnético.

Os astrônomos descobriram que há uma correlação entre a água e a emissão de poeira e podem conectar isso ao número de estrelas que estão nascendo naquela galáxia

A luz da galáxia SPT0311-58 vem de uma época do universo que ainda não entendemos completamente, e essa descoberta nos diz que a água já era um fator importante desde o início. É uma peça importante do quebra-cabeça que pode nos ajudar a entender o que estava acontecendo no início de tudo.

“Este estudo não apenas fornece respostas sobre onde e a que distância a água pode existir no Universo, mas também deu origem a uma grande questão: como tanto gás e poeira se juntaram para formar estrelas e galáxias tão cedo no Universo? A resposta requer um estudo mais aprofundado”, disse.

O telescópio ALMA é considerado um dos mais importantes do mundo e continua a nos mostrar o quão incrível é o Universo e até onde podemos chegar.

Fonte(s): IFLScience Imagens: Reprodução / ALMA (ESO / NAOJ / NRAO)/ S. Dagnello (NRAO)

Jornal Ciência

no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Obs: É necessário salvar nosso número e enviar “olá” para validar o cadastro. São milhares de leitores. Aproveite. É grátis!

Jornal Ciência