Brasil: pesquisa diz que 90% das saladas de delivery ou fast food estão contaminadas

de Merelyn Cerqueira 0

Por meio de um estudo feito no Centro Universitário UniMetrocamp Wyden, pesquisadores em campinas, SP, descobriram que cerca de 90% das amostras analisadas de saladas prontas para consumo entregues em delivery ou fast food apresentaram algum tipo de contaminação.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Foram encontradas bactérias causadoras de infecções intestinais, pulmonares e até mesmo faringite, segundo informações do jornal Correio 24 Horas.

Os testes foram feitos em saladas in natura, sendo 12 de entregas delivery e outras oito servidas em fast foods.

Cerca de 18 delas continham coliformes fecais em quantidades 10 vezes maiores do que o tolerável pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Apenas duas das saladas analisadas foram classificadas como próprias para o consumo humano, enquanto as outras foram encontradas, além das bactérias, bolores e fungos, o que indica falta de higienização por parte dos restaurantes.

De acordo com os pesquisadores, a saída para não consumir verduras e frutos contaminados é lavar novamente antes de servi-los.

Eles explicam que a melhor maneira de fazê-lo é utilizando água sanitária, um produto relativamente barato e acessível aos consumidores – o que vale apenas para saladas que não estão preparadas. O problema é: como fazer isso quando a salada já vem pronta com molhos ou em seu sanduíche preferido?

Considera-se 10 ml de água sanitária para cada litro de água potável, com 10 a 15 minutos de molho. Em seguida, é importante lavar o alimento em água corrente antes do consumo, para retirar todos os resíduos de hipoclorito de sódio.

Fonte: Correio 24 Horas Fotos: Reprodução / Tribuna de Jundiai 

Jornal Ciência