Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Pessoas com paralisia podem se comunicar usando suas mentes

de Julia Moretto 0

Pacientes com paralisia de quase todos os músculos voluntários do corpo não podem se mover, falar, fazer expressões faciais ou até mesmo mover seus olhos para se comunicar.

 

Durante anos, médicos e pesquisadores acreditavam que essas pessoas não estavam satisfeitas com sua qualidade de vida e que não tinham o pensamento direcionado para o necessário à comunicação. Agora, um estudo inovador realizado por pesquisadores do Centro de Wyss para Bio e Neuroengenharia, em Genebra, na Suíça, acabou com esses equívocos comuns. Pacientes com síndrome de bloqueio completo podem expressar seus pensamentos e ainda dizer se estão felizes.

 

No estudo, publicado em “PLOS Biology”, quatro indivíduos com síndrome de bloqueio completa devido à esclerose lateral amiotrófica, ou ALS, foram equipados com uma interface não invasiva de um cérebro computador. Ele usa espectroscopia de infravermelho próximo (NIRS) e eletroencefalografia (EEG) para medir a oxigenação do sangue e atividade elétrica no cérebro. Eles são diferenciados para quando o paciente pensa “sim” ou “não”. Após a calibração, os pacientes foram capazes de responder a perguntas usando seus pensamentos.

 

A uma mulher de 23 anos, foi perguntado se o nome de sua mãe era Margit. A interface detectou a resposta correta de “sim”. Outro paciente foi solicitado, a pedido de sua família, se ele concordava com sua filha se casar com seu namorado. Ele respondeu “não”. A pergunta: “Você está feliz?” Foi respondida com um ressonante “sim” por todos os quatro pacientes, repetido durante semanas de questionamento.

 

Os resultados impressionantes derrubam minha própria teoria de que as pessoas com síndrome de bloqueio completo não são capazes de comunicação”, disse o professor Niels Birbaumer, neurocientista Centro. “Descobrimos que as quatro pessoas que testamos foram capazes de responder às perguntas pessoais que fizemos, usando seus pensamentos”, completou. Além disso, Birbaumer disse que um dos resultados mais surpreendentes do estudo foi que “os pacientes relataram estar felizes”. De acordo com o especialista e sua equipe, isso ocorre, pois “a qualidade de vida depende do cuidado social pela família e da atenção social positiva dos cuidadores e amigos”.

 

O estudo incluiu apenas pacientes que vivem com suas famílias em um ambiente familiar positivo e cuidadoso. Birbaumer está confiante de que essa tecnologia, se um dia estiver amplamente disponível, poderia ter um grande impacto na vida das pessoas com a síndrome. Junto com sua teoria sobre um ambiente familiar positivo, Birbaumer disse que há também a possibilidade de que a paralisia muscular da síndrome possa criar “um estado mental relaxado para o cérebro”, reduzindo o desejo e a intenção.

 

No futuro, Birbaumer e sua equipe planejam construir uma interface que permitirá aos pacientes com síndrome de bloqueio completo selecionar letras e palavras com seus cérebros. Eles esperam aplicar as suas conclusões de pacientes com ALS com síndrome de bloqueio completo naqueles com acidente vascular cerebral crônico. Essas descobertas também sugerem que a evolução construiu o cérebro como uma organização do movimento, explicou Birbaumer. “Estrutura, pensamento e sentimento são uma consequência e não uma causa de atos comportamentais específicos”, disse ele.

 

Artigo original publicado no Seeker.

[ Live Science ] [ Fotos: Reprodução / Live Science ]

Jornal Ciência