Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Pacientes tratados por médicas têm menos risco de morte do que os tratados por médicos

de Julia Moretto 0

Os pacientes idosos possuem mais chance de cura quando são tratados por profissionais do sexo feminino do que quando recebem cuidados de um do sexo masculino.

Nos Estados Unidos, os médicos ganham cerca de US$ 20.000 por ano a mais que as médicas. Essa estatística não é muito diferente em outros países. O estudo contesta a ideia de que as mulheres prestam menos cuidados já que carregam o fardo das responsabilidades domésticas.

Pesquisadores de saúde pública da Universidade de Harvard analisaram, por três anos, os registros dos pacientes com 65 anos ou mais, nos EUA. Eles se basearam em uma amostra de 20% das pessoas que foram hospitalizadas entre janeiro de 2011 e dezembro de 2014. De acordo com os resultados publicados na JAMA Internal Medicine, os pesquisadores descobriram que independentemente do quadro do paciente, ele tinha mais probabilidade de morrer caso fosse tratado por um médico do sexo masculino.

Para algumas condições, como sepse, pneumonia, insuficiência renal aguda e batimentos cardíacos irregulares, o afastamento da morte após o tratamento por uma médica foi significativo. Para outras condições, como insuficiência cardíaca congestiva, infecções do trato urinário e sangramento gastrointestinal, a queda nas mortes foi surpreendente. Mas, para quase todas as condições, o tratamento realizado por profissionais do sexo feminino apresentou mais progresso do que o feito por profissionais do sexo masculino.

Explicação

Enquanto esse estudo não identificou por que os pacientes tratados por mulheres apresentam mais melhoras, os autores mostraram que em estudos anteriores, as mulheres pontuam mais em provas médicas. Além disso, elas são mais propensas a escolher melhores práticas no tratamento e se comunicar mais com os seus pacientes.

Esse tipo de resultado é importante para os pesquisadores medirem o rendimento nos hospitais de maneira adequada. Dessa forma, é necessário que os especialistas comparem os médicos dentro dos mesmos hospitais. Apesar do resultado, os pesquisadores não podem afirmar que os cuidados médicos realizados por mulheres causaram essa diminuição no número de mortes – apenas que o resultado foi ligado ao sexo do médico.

Se fosse possível fazer com que os médicos tivessem o mesmo desempenho, dentre os 10 milhões de hospitalizações nos Estados Unidos, haveria um número muito menor de mortes. “Nós estimamos que aproximadamente menos 32.000 pacientes morreriam se os médicos atingissem os mesmos resultados que as médicas todos os anos”, segundo os autores do Medicare.

[ The Verve ] [ Fotos: Reprodução / The Verve ]

Jornal Ciência