Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Muitas vezes médicos não conseguem prever o tempo de vida de pacientes terminais

de Julia Moretto 0

Os médicos muitas vezes não conseguem prever quanto tempo de vida as pessoas com doenças terminais têm. Segundo uma pesquisa, essa dúvida pode deixar pacientes e familiares angustiados.

Uma análise com mais de 4.600 prescrições em que os médicos previram a sobrevivência do paciente mostrou grande variação. Estes erros variavam de uma subestimação de 86 dias a um excesso de 93 dias. A pesquisa também indicou que o tempo de experiência dos médicos não interferiu nesses resultados. “Ser mais experiente não é necessariamente fazer um melhor prognóstico”, comentou o professor Paddy Stone.

Especialistas dizem que um prognóstico preciso é essencial para que os pacientes tenham o cuidado e o tratamento adequados. A revisão da pesquisa feita por pesquisadores da University College London (UCL) vê que o próximo passo é buscar uma maneira de treinar os médicos para realizarem melhores previsões. 

Saber quanto tempo resta pode confortar melhor os pacientes e seus familiares, além de apresentar as melhores escolhas sobre os seus cuidados. Esta pesquisa sugere que não exista uma maneira simples de identificar quais médicos são melhores em prever a sobrevivência”, disse Stone.

Segundo Stephanie Aiken, do Royal College of Nursing, é muito difícil lidar com a incerteza sobre o tempo de vida. “Assim como quando nascemos, o momento preciso da morte pode ser uma ciência inexata. A sociedade tem evoluído sobre as questões de morte e de compreender os desejos finais de seus entes queridos”, completa. 

Ainda devem ser feitas melhorias para perceber os sinais de que alguém está morrendo e, desse modo, ajudar as famílias com informações precisas“, comentou Janice Jones, cujo pai, Stephen Flint, morreu em 2011 de câncer. Algumas pessoas preferem não ter esse tipo de informação, mas, segundo Flint “O que mais doía era que o médico tinha visto o meu pai pouco antes da noite em que ele morreu e não nos avisou do que poderia acontecer. Não nos deram um prazo preciso. O médico não quis se comprometer”. 

[ Daily Mail ] [ Fotos: Reprodução / Daily Mail / Wikimedia

Jornal Ciência