O que é hemodiálise e como é a vida do paciente que precisa desse procedimento

de Merelyn Cerqueira 0

Entre as diversas funções dos rins, filtrar o sangue é uma das mais importantes. Sendo assim, quando começam a falhar, é necessário que o paciente passe por um procedimento chamado hemodiálise.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Você certamente já ouviu falar nele, mas será que realmente sabe como funciona e como fica a vida da pessoa que precisa realizá-lo? A hemodiálise é um procedimento no qual uma máquina trabalha para limpar e filtrar o sangue.

Basicamente, ela realiza a mesma função dos rins. Para que aconteça, é necessário que um acesso vascular seja aplicado no paciente para que seu sangue seja bombeado e impulsionado até o filtro de diálise – o chamado dialisador.

Uma vez lá, ele é exposto a uma solução chamada dialisato, que através de uma membrana semipermeável, retira do sangue as toxinas, devolvendo-o limpo para o corpo.

Na maioria dos casos, as pessoas que começam a hemodiálise precisarão dela para o resto de suas vidas, a não ser que consigam realizar um transplante de rins, ou se o problema renal for apenas temporário.

O tempo para a realização do procedimento dependerá sempre do quadro clínico do paciente. Geralmente, pode durar cerca de quatro horas, em três ou quatro vezes por semana.

Foto: Reprodução / Shutterstock

Não é comum a presença de problemas sérios durante as sessões de hemodiálise. Em alguns casos são reportados pacientes que sentem dores de cabeça, queda de pressão e câimbras, por isso, bem como pela necessidade da máquina, o procedimento é sempre realizado em hospitais. 

Embora os pacientes em hemodiálise precisem viver sob uma dieta e ingestão de líquidos controlada, a fim de manterem o equilíbrio corporal, eles de fato podem viver uma vida normal. São capazes de trabalhar, realizar atividades físicas e viajar, seguindo sempre orientações médicas.

Para os casos em que a hemodiálise atrapalha a função praticada no trabalho, o Governo Federal auxilia financeiramente esses pacientes que se encontram com forma crônica de doença renal. 

Quanto às viagens, é comum que os pacientes se sintam preocupados em encontrar tudo o que é necessário para o procedimento em outros estados ou países.

No entanto, muitos destes compartilham um sistema chamado Hemodiálise em Trânsito, que permite que essas pessoas consigam clínicas equipadas nas cidades de destino. Basta entrar em contato com o local antes de viajar e coletar todas as informações necessárias.

Fonte(s): Diário de Biologia Imagens: Reprodução / Shutterstock / Shutterstock

Jornal Ciência