Nova inteligência artificial pode prever morte por insuficiência cardíaca com 80% de precisão

de Julia Moretto 0

Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

A inteligência artificial pode predizer exatamente quando pacientes com insuficiência cardíaca morrerão, afirmam os cientistas.

 

O software, desenvolvido por pesquisadores do Instituto de Ciências Médicas de Londres (LMS), analisa imagens em movimento do coração de um paciente capturadas durante uma ressonância magnética e cria um “coração 3D virtual”. Usando dados mais detalhados, o novo software identifica pacientes com alto risco de morte muito mais cedo – com uma taxa de sucesso de 80%, de acordo com os pesquisadores. 

 

Esta é a primeira vez que os computadores interpretaram exames cardíacos para prever com precisão quanto tempo os pacientes viverão. Poderia transformar a forma como os médicos tratam os pacientes cardíacos”, disse o pesquisador principal Dr. Declan O’Regan, do LMS. 

 

Para criar o software, os pesquisadores inseriram os dados de pacientes anteriores. Ao vincular esses dados com seus modelos, o software aprendeu quais os atributos de um coração – forma, estrutura, etc. – colocam um indivíduo em risco de morrer de insuficiência cardíaca. De acordo com os pesquisadores, o computador tem até 80% de precisão na previsão da sobrevivência de um paciente um ano após o diagnóstico, considerando que existam dados suficientes para a máquina trabalhar. 

 

O software foi desenvolvido usando dados de mais de 250 pacientes com hipertensão pulmonar. Ao longo do tempo, a doença provoca danos progressivos e pode levar à insuficiência cardíaca.  O tratamento pode ajudar algumas das pessoas a viverem mais tempo, especialmente se esse dado for descoberto rapidamente. Isso acontece porque as decisões sobre qual tratamento funcionará melhor em um determinado paciente são baseadas no risco anual de morte do indivíduo. 

 

Mas os pesquisadores dizem que as previsões feitas hoje ainda são muitas vezes imprecisas e que o novo software pode ser um grande passo para o futuro. O computador executa a análise em segundos e simultaneamente interpreta dados de imagens, exames de sangue e outras investigações sem qualquer intervenção humana”, disse Dr. Tim Dawes, que desenvolveu os algoritmos que sustentam o software. “Ele pode ajudar os médicos a darem os tratamentos certos aos pacientes certos no momento certo”.

[ Daily Mail ] [ Fotos: Reprodução / Daily Mail ]

Jornal Ciência