Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Mulher morre em razão de câncer no rim, enquanto médicos diziam que suas dores eram causadas por “intolerância alimentar”

de Merelyn Cerqueira 0

O caso ocorreu em Southport, Reino Unido. A britânica Claire Tomlinson morreu aos 35 anos, após perder uma batalha de sete meses contra um carcinoma em suas células do rim esquerdo.

Os pais dela contaram que o médico particular teria aconselhado a cortar certos alimentos para aliviar os sintomas causados por uma intolerância alimentar.

mulher-com-cancer-no-rim_02

No entanto, as cólicas continuaram. Quando foi finalmente diagnosticada, em fevereiro deste ano, já era tarde demais. O câncer havia se espalhado para os pulmões e cérebro, a quimioterapia já não estava funcionando. Claire morreu no dia 15 de setembro, segundo informações do jornal inglês Daily Mail.

Ela procurou seu médico particular em setembro do ano passado e eles pensaram que os sintomas eram de uma alergia alimentar”, disse o pai, John, 66 anos, em entrevista ao jornal. “Eles sugeriram que ela cortasse pão e outras coisas semelhantes e, no Natal, ela também sofreu muito por causa de dores nas costas”.

No entanto, as dores de Claire apenas se intensificaram. Após realizar exames de varredura em fevereiro deste ano, os resultados revelaram um câncer em seu rim esquerdo, conhecido como Carcinoma de Células Renais. Ela, então, seis semanas depois do diagnóstico, foi submetida à quimioterapia. Contudo, a doença já havia entrado em metástase, quando se espalhou para os pulmões e cérebro. Os pais contavam que após cada uma das refeições ela sentia uma dor “paralisante”.

mulher-com-cancer-no-rim_03

A quimioterapia não foi bem-sucedida, e ela acabou morrendo no dia 15 de setembro após perder uma luta de sete meses contra o câncer. Agora, a família está pedindo aos médicos para “agirem com mais urgência” a fim de evitar que outras vidas sejam perdidas. “Não estamos tentando dizer que ela poderia ter sido curada, nós só achamos que o tratamento deveria ter começado mais rápido”, disse a mãe, Gill, de 62 anos.

Em seu funeral, a família pediu que as pessoas não levassem flores. Ao invés disso, sugeriram uma doação para que um jardim pudesse ser construído na escola primária em que Claire trabalhava. “Claire disse não iria pensar em qualquer compensação, apenas ia desejar que as pessoas fossem mais conscientes”.

De acordo com a NHS Choices, a maioria dos casos de câncer nos rins não causa quaisquer sintomas nos estágios iniciais. Estima-se que eles ocorram em metade dos casos, sendo mais facilmente detectados por meio de exames de ultrassonografia. Os mais comuns incluem sangue na urina, dor persistente abaixo das costelas e nódulo ou inchaço na área dos rins. Já os menos comuns são cansaço extremo, anemia, perda de peso e apetite, febre, sudorese noturna, inchaço nas veias dos testículos (homens), pressão arterial elevada e uma sensação geral de mal-estar.


[ Daily Mail ] [ Fotos: Reprodução / Daily Mail ]

Jornal Ciência