Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Mãe revela agonia de filho de 10 anos que ficou cego após tomar medicação para febre

de Merelyn Cerqueira 0

Xander Cabales, um menino de 10 anos do Havaí, ficou cego após uma reação rara sofrida em razão de uma droga comum, chamada Motrin, semelhante ao ibuprofeno, utilizada em 2014 para tratar uma febre.

 

De acordo com informações do Daily Mail, após cinco dias, a condição da criança piorou. Levado às pressas ao hospital, os médicos o diagnosticaram com uma síndrome chamada Stevens-Johnson. Parcialmente cego, ele hoje tem que usar óculos escuros todos os dias ao ar livre, para não correr o risco de perder o restante da visão.

garoto-fica-cego

A mãe de Xander, Laura Cabales, de 42 anos, recentemente publicou uma série de imagens da situação do filho à época para destacar os efeitos da reação. Segundo ela, a pele do menino estava “derretendo” e, como seu pulmão havia parado de funcionar, sua respiração era produzida com ajuda de aparelhos. Ele estava empolando, descascando, queimando de dentro para fora”, disse. “Foi devastador”.

 

De acordo com ela, o Motrin foi administrado após Xander reclamar que não se sentia bem e ter febre. Apesar de a febre desaparecer, ela voltou rapidamente e pior do que antes. Sua temperatura corporal havia atingido 40,5°C, ele estava letárgico e perdendo líquido pelos olhos.

garoto-fica-cego_2

Preocupados, o pais o levaram até um hospital em Honolulu, e à medida que a condição piorava, o menino se tornava mais agressivo. Os médicos disseram que ele era o paciente mais doente que já haviam recebido”, disse Laura. “Ele estava morrendo, sua pele estava se desfazendo e ele desenvolveu marcas vermelhas em todo o corpo”.

 

Disseram que ele tinha síndrome de Stevens-Johnson, uma doença rara em que uma pessoa sofre uma reação adversa e imprevisível à medicação”. Os médicos então colocaram-no em coma induzido para que pudesse se recuperar. Passadas três semanas, ainda inconsciente e sob os efeitos de antibióticos, ele começou a responder ao tratamento. Então, um mês depois, acordou.

 

Agora, quase três anos depois, embora esteja visivelmente melhor, Xander ficou com sequelas significativas. Por exemplo, ele não é mais capaz de produzir saliva e seus pulmões sofreram danos permanentes, deixando-o impossibilitado de tossir ou limpar qualquer muco, bem como precisa da ajuda de um nebulizador para respirar.

 

Em um comunicado, um porta-voz da Johnson e Johnson, que produz Motrin (ibuprofeno), disse que a marca está empenhada em oferecer medicamentos seguros e eficazes. “Ao longo de décadas e milhões de usos, o ibuprofeno provou ser seguro e eficaz”, disse. “Somos simpáticos à dor e sofrimento de qualquer um afetado pela Síndrome de Stevens-Johnson”.

 

O que é a Síndrome de Stevens-Johnson?

De acordo com informações da Mayo Clinic, trata-se de uma doença rara com sintomas primários semelhantes aos da gripe, seguidos do aparecimento de erupções vermelhas e dolorosas pelo corpo.

 

O tratamento consiste na eliminação da causa subjacente, controle dos sintomas e minimização das complicações. A recuperação pode levar de semanas a meses, dependendo da gravidade do problema

[ Daily Mail ] [ Fotos: Reprodução / Daily Mail ]

Jornal Ciência