Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Esta menina chorava de dor, e os médicos encontraram algo realmente terrível!

de Gustavo Teixera 0

Uma criança chorando é uma das coisas mais tristes de se ver, e quando é muito bebê, fica ainda mais difícil de saber o motivo do choro.

A história de uma menina chamada Abri Bentley, de apenas 8 anos, é uma daquelas que chamam a atenção. 

Uma certa noite, ela acordou chorando e reclamando de dor na perna.

Seus pais tentaram tudo o que podiam para aliviar a dor da menina, mas como não conseguiram, a levaram para o hospital. Mas, os médicos acharam que eram somente “dores do crescimento” e a mandaram de volta para a casa.

menina-chorava-de-dor-1

Após alguns dias, aquela dor ainda não havia sumido da perna da garotinha, e seus pais entraram em contato com Hospital Infantil de Phoenix, no Arizona, EUA, para ver o que eles poderiam fazer. “Eles fizeram uma biópsia, enviaram a amostra, e em 24 horas receberam um diagnóstico”, disse Nikkole, mãe de Abri. 

O resultado revelou que a garotinha sofria de Sarcoma de Ewing, um tumor que ataca os ossos e tecidos do corpo.

 menina-chorava-de-dor-2

Os médicos não demoraram e já a encaminharam para a sessão de quimioterapia. No total, foram 17 sessões.

Depois foi realizada uma cirurgia para remover o osso da perna que foi substituído por um osso do braço de um doador. 

Mas, apesar de tudo o que estava passando, a menina estava enfrentando tudo com humor e chegou a apelidar seu novo membro de “arg”, uma mistura das palavras “arm” e “leg”, que em inglês significam “braço” e “perna”, respectivamente.

menina-chorava-de-dor-3

A recuperação de todo esse processo foi boa, e ela está aprendendo a andar com seu novo membro aos poucos. A família agradeceu a eficiência da equipe médica do Hospital Infantil de Phoenix: “Eu me sinto tão feliz, agradecida e abençoada por ela estar saudável e bem”, disse Nikkole, com lágrimas nos olhos.

Fonte: Best of Web Fotos: Reprodução / Best of Web

Jornal Ciência