Empresa que irá pagar R$ 500 mil para copiar um rosto e usá-lo em nova linha de robôs encerra inscrições por excesso de cadastros

A empresa informou que não existia nenhuma exigência de gênero para a escolha, necessitando apenas ter um rosto “amigável”, mas encerrou as inscrições após receber 20.000 interessados em 1 dia

de Redação Jornal Ciência 0

Você permitiria que uma linha de robôs fosse criada usando a cópia do seu rosto em troca de R$ 500 mil? É basicamente isso que a Promobot, dos EUA, estava oferecendo até poucas horas atrás. 

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

A empresa vai pagar US$ 100 mil (equivalente a mais de R$ 500 mil) para uma pessoa que não se importe em ter seu rosto copiado para ser “a cara” dos novos robôs. A Promobot não tinha exigência de gênero, apenas buscava pessoas com rostos “amigáveis”. Isso é necessário porque o papel dos novos robôs será no atendimento em hotéis e shoppings.

A empresa pretende lançar sua nova linha em 2023, em parceria com outra empresa norte-americana que atua no ramo de atendimento aos clientes destes estabelecimentos, além de aeroportos.

Os robôs projetados por eles já estão atuando em alguns lugares, como o Aeroporto Internacional de Baltimore-Washington, nos EUA, e no Dubai Mall, um shopping nos Emirados Árabes Unidos. A pessoa escolhida terá que ter mais de 25 anos e estar disposta a auxiliar nos processos de desenvolvimento da face do robô, através de modelos 3D copiados de seu rosto.

Além disso, o escolhido fará uma gravação de 100 horas de sua voz, para que a fala do robô seja construída. O contrato obriga a ceder, para sempre, o uso da imagem do rosto, sem direito de contestação futura. Ou seja, não cabe arrependimentos.

Processo judicial de Arnold Schwarzenegger

O ator Arnold Schwarzenegger, que interpretou um robô humanoide no filme Exterminador do Futuro, já processou a empresa, em 2020, por ter tentado desenvolver um robô tomando como base as feições de seu rosto.

Arnold pediu indenização de US$ 10 milhões (equivalente a mais de R$ 50 milhões), valor que disse que cobraria se tivesse sido consultado para ceder sua imagem ao Robo-C. Além disso, mandou uma carta à Promobot afirmando que a atitude da empresa “diminui sua merecida e arduamente conquistada reputação de grande estrela do cinema”.

A tecnologia desenvolvida pela Promobot, bem como seu próprio design patenteado, possui mais de 600 expressões faciais que permitem aos seus robôs imitarem a aparência humana. A empresa foi criada em 2013.

A inscrição estava aberta, bastava clicar aqui. Mas, a procura foi tão grande que apenas nesta terça-feira (16/08), 20.000 cadastros foram recebidos e a Promobot decidiu paralisar o processo de inscrição pelo excessivo interesse do público.

Fonte(s): VICE / Exame Imagens: Reprodução / Promobot

Jornal Ciência