Robô que “abraça” o coração pode salvar milhares de vidas, dizem especialistas

de Gustavo Teixera 0

Um novo coração robótico que se encaixa como uma luva ao redor do órgão pode ajudar as pessoas com insuficiência cardíaca.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Os corações mecânicos convencionais bombeiam o próprio sangue do paciente através de seu corpo usando uma hélice. Mas o problema com isso é que a bomba entra em contato com o sangue do paciente, colocando-o em risco de coagulação. Isso precisa ser controlado usando remédios para diluir o sangue.

esse-robo_

O novo design se encaixa fora do coração do paciente como uma luva, apertando-o para fazê-lo bater. Isso pode funcionar porque muitas pessoas com corações danificados não perderam toda a função do órgão. O dispositivo de silicone, que “abraça” o coração danificado, é fruto de pesquisas em “robótica suave”, que são estruturas mecânicas projetadas para imitar estruturas de corpo.

Ele se endurece e relaxa quando inflado com ar pressurizado. Cerca de 41 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de insuficiência cardíaca, incluindo cerca de 550.000 pessoas no Reino Unidos, que geralmente desenvolveram a condição após um ataque cardíaco. Essa já é a principal causa de hospitalização entre os maiores de 65 anos e os especialistas preveem que o número de idosos com essa condição triplicará em 2060.

Corações artificiais, que também são conhecidos como dispositivos de assistência ventricular, têm a desvantagem de estarem em constante contato com o sangue. Isso aumenta o risco de infecção, coagulação e derrames. Ele também perturba a curvatura normal do coração e altera a forma dos movimentos. O dispositivo restaurou o fluxo sanguíneo após parada cardíaca em seis porcos vivos. O dispositivo também pode ser alterado para comprimir o ventrículo direito ou esquerdo nos corações.

Isto é crucial em muitos casos de insuficiência cardíaca crônica, quando apenas uma porção do órgão é afetada. Os autores dizem que mais trabalho é necessário antes que a tecnologia esteja pronta para uso em seres humanos. A pesquisa foi publicada no site da organização Science Translational Medicine.

Esta pesquisa demonstra que o crescente campo da robótica suave pode ser aplicado às necessidades clínicas e potencialmente reduzir a carga de doenças cardíacas e melhorar a qualidade de vida dos pacientes”, disse Ellen Roche, principal autora da pesquisa. Este trabalho representa uma prova emocionante do resultado do protótipo para este robô, demonstrando que ele pode interagir com segurança com tecidos moles e levar a melhorias na função cardíaca”, completou Roche.

O dispositivo inspirou-se no próprio coração. A fina “luva” de silicone usa bandas pneumáticas macias colocadas ao redor do coração para imitar as camadas musculares externas do órgão. As bandas torcem e comprimem a manga num movimento semelhante ao do coração batendo. O dispositivo é amarrado a uma bomba externa, que usa ar para alimentar as faixas de insuflação.

O campo cardíaco tinha se afastado da ideia de desenvolver compressão cardíaca em vez de bombear sangue dos dispositivos de assistência ventricular devido à tecnologia, mas agora, com os avanços na robótica suave, é hora de voltar atrás”, disse Frank Pigula, cirurgião de coração e pulmão e coautor do estudo.

A maioria das pessoas com insuficiência cardíaca ainda tem algum nível de funcionamento do órgão. Um dia, a luva robótica poderá ajudar seu coração a trabalhar bem o suficiente para que sua qualidade de vida possa ser restaurada”, finalizou Pigula.

[ Daily Mail / Science Alert ] [ Fotos: Reprodução / Science Alert ]

Jornal Ciência