Elon Musk compra o Twitter por US$ 44 bilhões. O que mudará agora que é o único dono?

Pela cotação do dólar hoje (25/04), o valor seria equivalente a mais de 214 bilhões de reais!

de Redação Jornal Ciência 0

O homem mais rico do mundo, o bilionário Elon Musk, acaba de anunciar nesta segunda-feira (25/04), a compra de 100% do Twitter, tornando-se o único dono, como planejava.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Foram semanas de negociações que pareciam não ter fim. Várias fontes do mercado estimam que o martelo foi batido, de fato, quando Musk chegou aos US$ 44 bilhões de dólares — 214 bilhões de reais na cotação de hoje!

De início, o conselho administrativo e diretores do Twitter não aceitaram vender a rede social para Elon Musk, que já era dono de 9,2% das ações da empresa.

Mas, após várias tentativas, o bilionário deixou claro suas reais intenções, deu garantias financeiras e afirmou que seria sua “última e melhor proposta” para comprar o Twitter.

Os acionistas não aguentaram o peso da oferta e resolveram fazer uma reunião ainda na noite de domingo (24/04) para pensar sobre a possibilidade de “passar o bastão” para Musk.

A maioria dos acionistas decidiu que a empresa deveria ser vendida, mesmo o conselho de administração não concordando com a ideia.

Como a diretoria não levou a sério nenhuma de suas propostas, Musk começou a persuadir e convencer diretamente os acionistas, de forma individual, não mais tratando do assunto com a diretoria do Twitter, já que visivelmente eles não tinham interesse em vender para ele.

Musk, agora dono do Twiter, quer retirá-lo do mercado de ações e tornar a empresa de capital fechado, sem acionistas. Assim, ele realizará todas as mudanças na rede social que julgar necessárias, sem interferência de ninguém.  

Musk disse que comprou o Twitter para aumentar a liberdade de expressão e estimular a democracia — mesmo que na prática, não saibamos o que ele realmente quer dizer com isso.

“A liberdade de expressão é a base de uma democracia em funcionamento, e o Twitter é a praça digital da cidade onde assuntos vitais para o futuro da humanidade são debatidos. Também quero tornar o Twitter melhor do que nunca, melhorando o produto com novos recursos, tornando os algoritmos de código aberto para aumentar a confiança, derrotando os bots de spam e autenticando todos os seres humanos. O Twitter tem um enorme potencial – estou ansioso para trabalhar com a empresa e a comunidade de usuários para desbloqueá-lo”, disse à imprensa.

Especialistas acreditam que a compra possa ter consequências, já que Musk demonstrou no passado insatisfação com as políticas excessivas de moderação de conteúdos e notícias nas redes sociais.

Musk já criticou inúmeras vezes os sistemas automáticos que barram discursos de ódio e notícias que geram desinformação.

Não sabemos o que ele pretende fazer para “suavizar” esses filtros automáticos promovidos pelos algoritmos, robôs ou até mesmo revisores especializados em detectar notícias falsas e conteúdos agressivos.  

O fato de ser o único dono da rede social, sem nenhum tipo de conselho que possa intervir ou mediar situações, deixa usuários e influenciadores digitais, donos de perfis gigantes, apreensivos.

Na prática, todos que usam o Twitter estão nas mãos de qualquer decisão tomada monocraticamente por Elon Musk.  

Fonte(s): The Verge / PR Newswire Imagens: Reprodução / Deadline

Jornal Ciência