Elon Musk anuncia em carta aberta que, finalmente, comprou o Twitter

de Redação Jornal Ciência 0

O bilionário Elon Musk anunciou nesta manhã de quinta-feira (27/10) que, oficialmente, comprou a rede social Twitter. Ele comunicou a transação através de carta aberta publicada na própria rede social.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

“A razão pela qual adquiri o Twitter é porque é importante para o futuro da civilização ter um espaço comum digital, em que uma ampla gama de crenças pode ser debatida de forma saudável, sem recorrer à violência”, afirma Musk.

Ainda na carta, ele explica o motivo de sua decisão: “Atualmente, há um grande perigo de que as mídias sociais se fragmentem em câmaras de eco de extrema-direita e extrema-esquerda que geram mais ódio e dividem nossa sociedade. (…) Eu não fiz isso porque é fácil. Não fiz isso para ganhar mais dinheiro. Fiz isso para tentar ajudar a humanidade, que eu amo”, salientou.

Após inúmeras discordâncias do bilionário com a diretoria da rede social sobre as cláusulas de compra, o bilionário recebeu uma data limite, sendo informado ter até amanhã (28/10) para completar a transação de compra do Twitter.

A novela Elon Musk X Twitter

Musk tem até às 18h de amanhã para fechar o acordo, mas parece ter se adiantado. O prazo foi dado por um juiz do Tribunal de Equidade de Delaware, nos Estados Unidos.

Quando ele afirmou que compraria o Twitter, a pergunta que não queria calar, era: “De onde ele tiraria tantos bilhões de dólares para comprar a rede social?”. Todos sabem que a maior parte da fortuna de Elon Musk está em ações da Tesla e outros ativos de baixa liquidez.

Em abril, a Apollo Global Management — fundo considerado um dos maiores do mundo, que investe em participações em companhias e é dono do portal global Yahoo! — anunciou à imprensa que tinha interesse na negociação do Twitter, financiando o dinheiro para o comprador, mas não havia dito para quem emprestaria este dinheiro. Musk poderia não ser o escolhido.

O Apollo Global Management não tinha interesse em entrar na disputa contra o homem mais rico do mundo. A intenção era apenas emprestar o dinheiro para concluir a operação de venda, mas nunca confirmou ou negou que seria Musk.

Inicialmente, Musk ofereceu US$ 43 bilhões para comprar o Twitter — equivalente a mais de 223 bilhões de reais —, valor considerado baixo pelos especialistas de mercado em mídias e redes sociais, pela importância e relevância da empresa.

O valor da transação final não foi divulgado, embora o valor que Musk teria até amanhã para pagar seria de US$ 44 bilhões.

De acordo com a agência de notícias Reuters, advogados de Musk teriam entregado aos grandes investidores de ações, como a Sequoia Capital, Binance, Qatar Investment Authority, entre vários outros, todos os documentários necessários do compromisso de financiamento.

Isso significa que Musk parece, de fato, ter conseguido o dinheiro emprestado. Informações da Dow Jones Newswires afirmam que bancos e instituições financeiras interessadas em investir nos EUA concordaram em emprestar US$ 33 bilhões para que o bilionário concluísse a transação.

Especialistas acreditam que o plano de Musk é tornar o Twitter uma plataforma que caminhe em direção oposta ao que ocorre hoje, permitindo menor moderação nos conteúdos e maior liberdade em temas polêmicos, instituindo um novo modelo de negócios.

Fonte(s): Estadão / Seu Dinheiro Imagens: Reprodução / Redes Sociais

Jornal Ciência