Ele dormiu na casa de um amigo e quando acordou não podia falar ou se mover!

de Gustavo Teixera 0

O AVC é uma doença grave, e o risco de sofrer um aumenta acentuadamente depois dos 55 anos de idade. 

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Estima-se que uma em cada 100 pessoas com idades entre 70 anos ou mais sofrem acidentes vasculares cerebrais.

Depois dos 85 anos este risco aumenta três vezes. Portanto, é impensável que um jovem poderia passar por isso. Ainda assim, a própria vida, por vezes, escreve histórias difíceis de acreditar.

Um dia qualquer

Bonnie Dietz e seu marido estavam tendo um dia como qualquer outro, quando seu telefone começou a tocar.

A notícia que eles ouviram os deixou espantado: seu filho Cody de 17 anos de idade, que decidiu passar a noite na casa de um amigo não era capaz de sair da cama. No início, seu amigo pensou que era cansaço, mas na verdade era algo terrível.

O pai do menino pediu para falar com seu filho, então seu colega aproximou o aparelho do seu rosto: assim se percebeu que a única coisa que saia da boca de seu filho eram murmúrios sem sentido. Sem pensar muito, eles decidiram chamar a ambulância.

Diagnóstico raro

2

Quando os médicos realizaram a ressonância magnética, descobriram que o jovem tinha sofrido um acidente vascular cerebral que afetou o hemisfério esquerdo de seu cérebro.

Sabendo que sua condição era típica de pessoas mais velhas, eles ficaram espantados com tal diagnóstico.

Como ele nunca se queixava de problemas de saúde e passava muito tempo fazendo atividades físicas, não havia nada de extraordinário em sua reação.

Evidência ignorada

Seus pais começaram a se perguntar se havia algo que poderia ter aumentado a possibilidade de que seu filho sofresse um acidente vascular cerebral, contribuindo assim para evitar uma tragédia.

Eles logo perceberam que, poucos dias, antes Cody tinha dito algumas coisas que não faziam sentido. Ele também lhes disse que sentia que suas pernas e braços estavam dormentes.

O melhor atendimento

3

Quando Cody foi parar no hospital em estado grave com um monte de dispositivos conectados ao seu corpo e órgãos, começaram a se culpar por isso, mas ao mesmo tempo perceberam que o AVC não costuma acontecer com as pessoas jovens. As fotos que você vê abaixo foram tiradas quando o jovem estava no hospital.

Primeiro progresso

Ele passou duas semanas sob o efeito de sedativos, e especialistas acreditavam que iria passar pelo menos um ano até a sua capacidade de falar ser completamente recuperada.

Felizmente, ele voltou a surpreender e conseguiu fazer isso em um mês. Suas primeiras palavras foram: “Eu te amo”, dirigidas a sua mãe.

Agora, a família de Cody quer aumentar a consciência dos outros e contar sua história a todos.

O que ninguém sabe

4

Na verdade, o acidente vascular cerebral pode acontecer a qualquer um, a qualquer momento de sua vida.

Ninguém está isento deste risco.Diabetes, pressão arterial alta, colesterol elevado, o hábito de fumar e beber álcool em excesso podem aumentar o risco de um AVC.

O que se pode fazer?

Nenhum dos Dietz sabia o que era exatamente um AVC até que aconteceu com o seu filho. Embora os especialistas reconheçam que ele e a parada cardíaca sejam bastante semelhantes, a diferença principal é que sempre produz uma dor no coração.

O pior é que muitas pessoas preferem esperar até que passem os sintomas, que não parecem tão graves, e muitas vezes vão para o hospital mais tarde do que deveriam ou no último momento.

Conclusões para o futuro

Hoje, quando, finalmente, a pior parte já passou, Bonnie adverte outros pais. “Meu conselho é não ignorar quaisquer sintomas incomuns de que possam se queixar.” Embora Cody tenha muita sorte, ainda não conseguiu se recuperar totalmente.

 

 

Fonte: Para los Curiosos Fotos: Reprodução / Para los Curiosos

Jornal Ciência