“Derretimento em massa” atinge Groenlândia após onda de calor recorde

O rápido derretimento ocorreu após um evento atmosférico acima da camada de gelo durante as ondas de calor recordes do mês passado

de Redação Jornal Ciência 0

A Groenlândia sofreu um fenômeno de “derretimento em massa”. O volume perdido em um único dia era suficiente para encher todo o estado da Flórida, nos EUA, com 5 cm de água, alertaram os cientistas da Dinamarca.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Desde o dia 27 de julho, mais de 9,37 bilhões de toneladas de gelo foram perdidas por dia na superfície do gigantesco manto gelado.

Este valor é o dobro da taxa média normal de perda durante o verão, afirma publicação do Polar Portal — site administrado por cientistas dinamarqueses que estudam o clima ártico.

A gigantesca perda de gelo ocorreu após o norte da Groenlândia sofrer com temperaturas que subiram 20ºC, o dobro do normal para a média durante o verão, afirmou o Instituto Meteorológico Dinamarquês.

A onda de calor que ocorre desde 28 de julho provocou a terceira maior perda de gelo em um único dia na Groenlândia desde 1950. Em 2012 ocorreu a segunda maior perda e em 2019 houve recorde com a maior perda já registrada.

O fenômeno atmosférico é chamado anticiclone, quando regiões de alta pressão permitem que o ar contido nele, afunde, ajudando a aquecer o verão e criando condições em que o calor possa persistir em uma determinada área por muito mais tempo.

A perda anual de gelo na Groenlândia começou a partir de 1990. Nos últimos anos, ela acelerou em 4x, preocupando pesquisadores.

“Embora não seja tão extrema quanto em 2019, em termos de gigatoneladas, a área sobre a qual ocorre o derretimento é ainda um pouco maior do que há dois anos”, escreveram os pesquisadores.

A Groenlândia é tão importante para o planeta e para todos nós que, se todo o gelo que ela possui derretesse, os níveis do mar subiriam 6 metros em todo o mundo, de acordo com estudo oficial do Centro Nacional de Dados de Neve e Gelo (NSIDC), dos EUA.

Xavier Fettweis, cientista climático da Universidade de Liége, na Bélgica, explicou que na verdade, a Groenlândia perdeu 24 bilhões de toneladas de gelo somente no dia 28 de julho. Do total, 13 bilhões de toneladas foram despejadas no oceano e 11 bilhões de toneladas foram reabsorvidas.

O manto da Groenlândia é o único permanentemente congelado no planeta Terra, além da Antártica, com uma área de 1,7 milhão de quilômetros quadrados.

Os mantos de gelo da Groenlândia e da Antártica, juntos, representam 99% de toda as reservas de água doce do planeta Terra, mas ambos perdem massa em um ritmo acelerado devido às mudanças climáticas. Juntas, perderam 7 trilhões de toneladas de gelo desde 1994, de acordo com estudo publicado na revista The Cryosphere.

Fonte(s): Live Science Imagens: Reprodução / Shutterstock

Jornal Ciência