Como vivem as pessoas que têm alergia à água?

de Julia Moretto 0

Todas as substâncias prejudiciais ao nosso organismo são eliminadas pelo sistema imunológico. Quando esse sistema não trabalha corretamente, o corpo não consegue diferenciar o que é benéfico do que faz mal, e acaba provocando uma série de problemas.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Porém, quando nosso corpo se torna hipersensível a um elemento específico, há chance de reações alérgicas serem desenvolvidas. Como a água é um elemento essencial para a vida humana, ter alergia a ela é, sem dúvidas, um grande problema.

Conhecida como Urticária Aquagênica, a “alergia de água”, foi vista pela primeira vez em 1964. Quando o paciente tem um ataque, a pele apresenta lesões. Esse tipo de alergia ataca mais mulheres do que homens e os primeiros sinais aparecem durante a puberdade. As lesões duram de 10 a 50 minutos e apresentam coceira, inchaço e rubor.

como-vivem-as-pessoas-que-tem-alergia-a-agua

Normalmente, a Urticária Aquagênica está associada a outros tipos de urticárias, como as que são desenvolvidas pelo frio ou calor, ou por picadas e arranhões. Os cientistas ainda não realizaram estudos específicos sobre a doença, pois só foram diagnosticados 100 casos.

Algumas hipóteses já foram criadas sobre o desenvolvimento dessa alergia. Segundo os pesquisadores, essa reação ocorre por que o contato entre a água e a parte sensível do corpo produz e libera substâncias tóxicas.

como-vivem-as-pessoas-que-tem-alergia-a-agua_02
Rachel Wareick

Essa doença pode ser tratada com medicamentos anti-histamínicos, porém não há relatos de cura. Para tentar ajudar a amenizar as feridas, podem ser usados cremes que protegem a pele do contato com a água.

Apesar de ser uma condição rara, a Urticária Aquagênica afetou algumas pessoas. Um exemplo foi a britânica Rachel Wareick. Segundo ela, qualquer contato com a água – inclusive com seu próprio suor – provoca irritações, inchaços e coceiras. “É como se eu tivesse corrido uma maratona. Fico cansada e tenho que me sentar para recuperar a energia. É horrível, mas se eu chorar as coisas só pioram: minha cara incha”.

Quando as pessoas sabem da minha condição, elas fazem perguntas do tipo ‘como você faz para comer ou beber?’ ou ‘como toma banho?’. A grande verdade é que você precisa aguentar a dor e seguir a vida”, conta Rachel.

O nosso corpo é constituído por 60% de água, porém essa alergia só ataca quando o líquido entra em contato com a pele externamente. Mas, Rachel não é a única pessoa que sofre dessa doença. Outro exemplo é a galesa Katie Dell, de 26 anos. Segundo Katie, ela tem medo de assistir filmes e chorar. Além disso, precisou abandonar seu trabalho como professora devido ao suor.

[ Biologia Total ] [ Fotos: Reprodução / Cultura Mix ]

Jornal Ciência