Caso o muro de Trump seja criado, 93 espécies de animais vão entrar em extinção

de Julia Moretto 0

Segundo um novo relatório, caso o muro, que o presidente Trump quer construir, separando os Estados Unidos do México seja realmente feito, os EUA devem dar adeus às suas populações de jaguares, lobos, ursos e águias. Isso porque os seus habitats ultrapassam a divisão de quase 3,2 mil quilômetros.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

De acordo com o Centro para a Diversidade Biológica (CBD), as descobertas são do US Fish and Wildlife Service, que calculou que cerca de 111 espécies serão ameaçadas de extinção caso o muro seja construído. Já o estudo realizado pela Universidade Nacional Autônoma do México, o número é de 800.

muro-Trump-1

“O muro proposto por Trump é um desastre tanto para as pessoas quanto para a vida selvagem”, disse o diretor de espécies ameaçadas do CDB, Noah Greenwald. 

A fronteira de mais de 3.000 quilômetros tem um rico ecossistema com selvas, montanhas, rios e desertos que abriga milhares de animais. Se forem colocados concreto sólido e uma parede metálica no local, a migração dos animais será afetada, causando redução da diversidade genética e a degradação do ecossistema.

Mais de 700 espécies utilizam o local para migrar, como jaguares, lobos-mexicanos, ursos, cães-de-pradaria, entre outros. Para as aves, a construção irá perturbar os ecossistemas que são fonte de habitats e reprodução. Segundo os especialistas, os animais mais afetados serão as corujas-pigmeu, beija-flores, papagaios, águias, codornas-mexicanas, falcões-cinzentos e condores.

Segundo a CDB, a criação da barreira irá causar mais danos do que benefícios para os Estados Unidos. “O muro não será eficaz para impedir que as pessoas que procuram uma vida melhor cheguem ao país, mas destruirá o habitat e dividirá as populações de animais selvagens”, explicou Greenwald. “Construir um muro em toda a fronteira causaria danos maciços a uma das regiões mais biologicamente diversas da América do Norte”.

Fonte: IFL Science Fotos: Reprodução / IFL Science 

Jornal Ciência