Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Arquitetos de Nova Iorque querem criar um arranha-céu em um asteroide

de Julia Moretto 0

Se você pensou que os arranha-céus em forma de U propostos para Manhattan eram exóticos, saiba que já encontramos um grupo de arquitetos que querem levar essa loucura a um novo nível.

Em vez de manter nossos edifícios com segurança no chão, por que não criar algo diferente?

arranha-ceu_1

Essa é a proposta da empresa de design de Nova Iorque, o Clouds Architecture Office, que montou um conjunto elaborado de arte conceitual para nos ajudar a visualizar como o futuro das cidades pode parecer – se conseguirmos atingir o nível certo de desenvolvimento tecnológico.

Mas como as pessoas saem de um edifício suspenso há dezenas de milhares de quilômetros acima da Terra? 

Não se preocupe, o Escritório de Arquitetura de Nuvens pensou no projeto como “especulativo”, argumentando que a manipulação de asteroides já não está restrita ao reino da ficção científica. 

“Em 2015, a Agência Espacial Europeia liberou uma nova rodada de investimentos para mineração de asteroides… provando com sua missão Rosetta que é possível encontrar e aterrissar em um cometa giratório”, explicam em seu site.

“A NASA programou uma missão de recuperação de asteroides para 2021, que visa provar a viabilidade de capturar e relocalizar um asteroide”.

arranha-ceu_2

Outro projeto de pesquisa da NASA em 2016 descobriu que a Terra está lamentavelmente despreparada para uma surpresa asteroide greve. 

A chamada Torre de Analemma seria colocada em uma órbita geossíncrona, que é uma órbita que combina com a rotação da Terra em seu eixo.

arranha-ceu_3

Assim, para um observador na superfície, o arranha-céu retornaria exatamente à mesma posição no céu após aproximadamente 23 horas 56 minutos e 4 segundos. 

Segundo os arquitetos, isso permitiria que ele viajasse entre os Hemisférios do Norte e do Sul em um loop diário.

“O rasto na Terra para esta torre de pêndulo seria uma figura oito, onde a torre se moveria em sua velocidade mais lenta na parte superior e inferior da figura oito, permitindo a possibilidade de os ocupantes interagirem com a superfície do Planeta nesses pontos”, explica o grupo.

O arranha-céu estaria em um asteroide orbitando a Terra a 50.000 km acima da superfície. O edifício em si seria posicionado aproximadamente 32 km acima da superfície. 

O problema aqui é que os seres humanos não possuem experiência em tais altitudes – como a equipe explica, o vácuo e a temperatura de -40° C exigiriam roupas protetoras quando os visitantes entrassem e saíssem do edifício.

Fonte: Science Alert Fotos: Reprodução / Science Alert

Jornal Ciência