Argentina: Surto misterioso de pneumonia de causa desconhecida mata 3 dos 9 pacientes infectados; cientistas estão preocupados

A Argentina está em alerta após registrar 3 mortes de um tipo misterioso de pneumonia. Os pacientes foram testados para 30 tipos de vírus; todos os exames deram negativo

de Redação Jornal Ciência 0

Um misterioso surto de pneumonia na Argentina já matou 3 pessoas entre 9 com a doença. Mas, apesar de ter sintomas semelhantes à Covid, cientistas já descartaram completamente esta hipótese e não sabem o que está causando a doença.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

De acordo com o jornal britânico Daily Mail, as autoridades de saúde da Argentina estão investigando com urgência a “pneumonia de origem desconhecida” — mesma terminologia usada quando surgiram os primeiros casos de Covid em Wuhan, na China, em dezembro de 2019, mais tarde sendo denominada como Covid-19, causada por um novo vírus.

Os doentes incluem 8 profissionais de saúde e 1 paciente de UTI, em um hospital privado em Tucumán, pequena região a 1.200 km da capital Buenos Aires. A preocupação começou a crescer quando exames descartaram ser Covid, Influenza e Hantavírus — o que levantou a hipótese de um patógeno, nunca visto, que pode ter saltado de animais para os humanos.

O fato de ter se espalhado entre os profissionais de saúde — muitas vezes as primeiras vítimas de novos surtos virais — indica que pode ser contagioso entre pessoas, mas essa informação ainda não foi confirmada.  

No entanto, o especialista em doenças infecciosas, professor Paul Hunter, da Universidade de East Anglia, disse ao jornal Daily Mail que casos inexplicáveis de pneumonia “acontecem de tempos em tempos” e a maioria desaparece sem causar epidemias.

“Embora a maioria desses surtos eventualmente desapareça com ou sem diagnóstico, isso não é garantido. O crucial é fazer com que essas amostras sejam examinadas para tentar identificar qual vírus ou bactéria é responsável”, afirmou Hunter.

O professor Peter Horby, um dos membros do SAGE — conselheiros que ajudaram a orientar o governo do Reino Unido na crise da Covid-19 — classifica a situação como preocupante. “Casos em profissionais de saúde são um sinal preocupante — pode indicar transmissão de pessoa para pessoa”, disse Horby.

O professor François Balloux, especialista em doenças infecciosas da University College London, disse ao Daily Mail que uma pneumonia pode ser causada por muitos tipos de vírus, bactérias e fungos, bem como por envenenamento químico.

“Teremos que esperar por uma identificação formal da causa por trás desse conjunto de casos antes de podermos avaliar o quão preocupante a situação pode ser. É importante notar que o início dos sintomas para todas as 9 pessoas afetadas foi entre 18 e 23 de agosto”, disse Balloux.

Simon Clarke, microbiologista da Universidade de Reading, disse: “É provável que seja uma versão mais agressiva de algo que já conhecemos ou algo novo que saltou de um animal. De qualquer forma, é algo que precisamos ficar muito atentos[…]”.

Os conselheiros da Organização Mundial da Saúde (OMS) apoiaram publicamente as teorias de que o surto poderia ter sido desencadeado por microrganismos do gênero Legionella — uma bactéria que cresce em sistemas de água.

Entre as vítimas está uma mulher de 70 anos e 2 médicos. A primeira morte foi registrada na última segunda-feira. Outra morte na quarta-feira e a terceira na quinta-feira. Autoridades acreditam que a mulher, que foi ao hospital fazer uma cirurgia, pode ser a “paciente zero” — a primeira infectada — mas a hipótese está sendo estudada.  

Das 6 pessoas que receberam tratamento, 4 estavam em estado grave e 2 estavam em isolamento domiciliar. Todos os outros funcionários da clínica estão sendo monitorados. Os sintomas associados à doença, até agora, incluem vômitos, febre alta, diarreia e dores no corpo.

Luis Medina Ruiz, ministro da Saúde de Tucumán, disse à mídia local: “O que esses pacientes têm em comum é a condição respiratória grave com pneumonia bilateral e comprometimento em imagens de raio-X, muito semelhantes ao Covid, mas isso está descartado”.

Ele disse que os pacientes foram testados para mais de 30 vírus — incluindo Covid, resfriado e gripe do tipo A e B — todos os exames deram negativo. As amostras foram enviadas à Administração Nacional de Laboratórios e Institutos de Saúde da Argentina para análise posterior.

O hospital foi fechado e os contatos dos pacientes estão sendo rastreados e isolados. O Ministério da Saúde disse que o surto pode ter vindo de um agente infeccioso, mas não descartou “causas tóxicas ou ambientais”.

Abraar Karan, pesquisador de doenças infecciosas da Universidade de Stanford, na Califórnia, pediu que hospitais em todo o mundo se preparem para um possível surto, de acordo com o jornal Daily Mail.

Ele disse: “Garantir o controle adequado de infecções em todos os ambientes de saúde, em todo o mundo, deve ser uma prioridade na preparação para pandemias. O próximo grande evento, provavelmente, se apresentará em um ambiente de saúde”. Cientistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) estão monitorando a situação.

Fonte(s): Daily Mail Imagens: Capa via DailyStar / Hurriyet

Jornal Ciência