Matéria escura pode estar destruindo galáxias distantes

de Osmairo Valverde 0

Um grupo de astrônomos da Austrália Ocidental se deparou com um mistério de proporções cósmicas. Um levantamento recente de milhares de galáxias distantes revelou que um processo que tira o gás desses objetos celestes maciços é muito mais comum do que cientistas acreditavam, e não está claro o que exatamente está causando isso, relatou Rae Paoletta .

 

O ciclo de vida de uma galáxia não está bem definido, mas geralmente elas são massas enormes de gás cósmico e partículas que coalescem durante longos períodos de tempo, criando bilhões de estrelas no processo. Uma vez que todo esse gás flutuante é usado, estrelas novas não podem mais ser criadas e essa galáxia é considerada “inoperante”, como o astrônomo Michael Lam respondeu à pergunta de outro astrônomo da Universidade de Cornell.

 

Considerando o tempo em que esses processos cósmicos operam, isso pode levar bilhões ou trilhões de anos.Galáxias, no entanto, nem sempre conseguem viver a sua vida naturalmente. Os astrônomos do Centro Internacional de Pesquisas de Rádio Astronomia (ICRAR), na Austrália Ocidental, realizaram recentemente um levantamento de cerca de 11 mil galáxias, e descobriram que um fenômeno pelo qual os gases livres das galáxias são repentinamente removidos é muito mais comum do que os cientistas pensavam.

 

Esse processo é uma morte rápida para as galáxias, tornando-as incapazes de criar novas estrelas, escreveu Paoletta. Eles publicaram os resultados de seu estudo no Monthly Notices da Royal Astronomical SocietyEnquanto ainda não está claro exatamente como ocorre esse processo, este último estudo aponta um culpado misterioso: a matéria escura.

 

Essa substância invisível poderia fazer até 25% do Universo se ajustas ao perfil deste assassino galáctico. Como galáxias deslizam pelo espaço, elas têm chance de entrar em contato com essas zonas nebulosas, que podem violentamente forçar todo o gás livre da galáxia a se dissipar.

 

Durante suas vidas, as galáxias podem habitar halos de tamanhos diferentes, desde massas típicas de nossa própria Via Láctea até halos milhares de vezes mais massivas“, disse Toby Brown, astrônomo do ICRAR e líder do estudo. À medida que as galáxias caem por esses halos maiores, o plasma intergaláctico superaquecido entre eles remove seu gás em um processo de ação rápida”, completou Brown.

Embora os cientistas ainda não observem diretamente a matéria escura, sua existência é muitas vezes inferida pelo exame de efeitos gravitacionais estranhos que ocorrem em torno das galáxias e influenciam seu movimento, relatou Paoletta. Os astrônomos já notaram o efeito da remoção de pressão em galáxias no passado, mas os resultados deste estudo sugerem que é muito mais comum do que se pensava e pode acontecer a galáxias de qualquer tamanho.

 

Este artigo demonstra que o mesmo processo está operando em grupos muito menores de apenas algumas galáxias juntamente com muito menos matéria escura“, disse Brown em um comunicado. A maioria das galáxias do Universo vive nestes grupos de entre duas e cem galáxias”, finalizou.

[ Smithsonian ] [ Fotos: Reprodução / Smithsonian ]

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!
error: Proibida a cópia sem autorização.