Criança nascida sem polegar recebe nova mão feita a partir de seu pé

de Merelyn Cerqueira 0

Lal Ding, oito anos, de Baltimore, EUA, nasceu com uma mão torta radial. Isso significa que ele não tem polegar e possui um antebraço curto e curvo.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

 

No entanto, em um procedimento inovador, os médicos usaram ossos dos pés para endireitar seu braço. No momento, Lal está se recuperando e realizando fisioterapia para aprender a usar os dedos. A mão torta radial é uma condição genética rara em que o rádio (osso interno que liga o cotovelo ao antebraço) não se forma adequadamente. Lal tinha apenas um pequeno osso remanescente, dobrado em um ângulo de quase 90°.

3D8A4D0E00000578-4250656-image-a-27_1487801993386

Enquanto uma cirurgia tradicional poderia ter corrigido o ângulo do braço, ela também o deixaria com mobilidade limitada ou inexistente. Mas, graças a uma cirurgia inovadora, a primeira do tipo realizada nos EUA, Lal hoje é capaz de realizar movimentos primários. O menino já havia passado por um procedimento para reposicionar o dedo indicador para o local onde deveria estar o polegar. Mas, seus pais queriam que algo melhor fosse feito para endireitar a mão sem prejudicar os movimentos.

 

Então, eles procuraram ajuda no Med Star Union Memorial Hospital, onde conheceram o médico Dr. Ryan Katz, do Curtis National Hand Center. Ele e sua equipe tinham acabado de aprender sobre um procedimento inovador inventado por um cirurgião finlandês. O método consistia em remover uma articulação do segundo dedo do pé do menino, bem como extensões e placas de crescimento importantes, para criar uma mão e um braço funcionais.

3D8A4D2000000578-4250656-image-m-26_1487801986261

Depois, os vasos são expostos e mantidos ligados aos suprimentos de sangue para que o dedo do pé permaneça vivo. Então, é transferido para o antebraço, onde é fundido junto aos ossos. Os médicos criaram, portanto, um rádio intacto longitudinal –o osso interno que conecta o cotovelo ao antebraço – que faltava em Lal. O criador do procedimento, Dr. Simo Vilkki, voou da Finlândia até Baltimore para ajudar os médicos com consultas durante o procedimento, que durou cerca de oito horas.

 

A cirurgia foi realizada em três etapas: as duas primeiras envolveram centralização e correção da posição da mão, e a terceira, mais complexa, envolveu melhorar a função sem prejudicar a mobilidade, feita por meio da transferência do segundo dedo do pé.

 3D8A4F2D00000578-4250656-image-a-25_1487801980260

Usamos o segundo dedo porque ele tem uma articulação, extensão, e placas de crescimento, que proporcionam movimento, equilíbrio e crescimento”, disse Dr. Katz. “Nós tomamos todo o osso, que vai todo o caminho até o tornozelo, e identificamos veias e artérias a fim de mantê-las unidas”. Uma vez que o dedo do pé é colhido, é transferido para o antebraço e os ossos são fundidos juntos”, acrescentou.

 

O braço de Lal, desde o procedimento, ganhou quase cinco centímetros de comprimento e sua mão está significativamente mais reta do que antes. Ainda, o garoto terá de realizar fisioterapia todas as semanas, para aprender a usar o pulso e os dedos com destreza.

[ Daily Mail ] [ Fotos: Reprodução / Daily Mail ]

Jornal Ciência