Conheça as “Anjas da Morte”: mulheres soropositivas que cobram 2 dólares por programa

de Julia Moretto 0

Nos subúrbios da cidade de Lagos, na Nigéria, há um centro de prostituição que tem atraído a atenção dos repórteres e estrangeiros.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

No distrito de Badia há um grupo de prostitutas conhecidas como “Anjos da Morte” que cobram US$ 2 por cliente, porém eles precisam ter o conhecimento prévio de que elas estão infectadas com o Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV).

O país tem uma população de 140 milhões de pessoas e possui o terceiro maior número de pessoas que vivem com HIV / AIDS no mundo depois da Índia e da África do Sul. E, pior de tudo é que 80% das pessoas infectadas não têm acesso a tratamento médico, de acordo com dados fornecidos pela Organização das Nações Unidas.

Anjas-da-Morte_

O fotojornalista Ton Koene entrou no bairro e capturou imagens do local. “Se você chegar de carro, pode sentir o cheiro do vírus HIV de fora”, disse um motorista de táxi para Koene, de acordo com um artigo publicado pelo Mirror. 

Anjas-da-Morte_2

O número de pessoas infectadas com a doença, apenas em Lagos, é o equivalente a toda a população de Amsterdam. 

“Quanto mais jovem e bonita é a moça, mais cara é. Homens visitam as prostitutas como se estivessem andando em uma padaria”, disse motorista de táxi.

Anjas-da-Morte_3

As mulheres que trabalham ali não só enfrentam a ameaça da doença, como também são vítimas de violência, estupro, sequestro e roubo. Um estudo realizado pelo Jornal Iraniano de Saúde Pública descobriu que 4,1% da população adulta na Nigéria tem HIV

Anjas-da-Morte_4

Anjas-da-Morte_5

Anjas-da-Morte_6

Anjas-da-Morte_7

Fonte: Upsocl Fotos: Reprodução / Upsocl

Jornal Ciência