Até o fim do século, metade das espécies de animais pode sumir

de Gustavo Teixera 0

A riqueza da fauna e da flora do Planeta ainda é estudada por muitos cientistas, mas pouca coisa é feita para preservá-la de fato. A vida animal passou por cinco extinções em massa durante os 4,5 bilhões de anos da Terra.A última delas aconteceu cerca de 65 milhões de anos atrás e levou ao desaparecimento dos dinossauros.Mas, aparentemente essa história irá se repetir: uma em cada cinco espécies de animais está correndo risco de extinção.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

 

A previsão feita em um relatório realizado pela Pontifica Academia de Ciências aponta que até o final do século metade das espécies de animais pode sumir, a não ser que um grande esforço mundial seja feito. Esse acordo mundial significa controlar o avanço da sociedade nos habitats naturais dos animais e combater os avanços das mudanças climáticas.

 

Cientistas, ecologistas, acadêmicos e até líderes religiosos compactuam dessa visão, sendo que muitos deles se reuniram recentemente no Vaticano na Conferência de Extinção Biológica para discutir “Como salvar o mundo natural”. O tecido vivo do mundo está escapando pelos nossos dedos”, disse o relatório divulgado pela Pontifica Academia de Ciências.

 

Nosso desejo de consumo cresce mais rapidamente do que nossa população, e a Terra não pode sustentar tudo isso. Nada menos do que um reordenamento de nossas prioridades com base em uma revolução moral poderá manter o mundo da forma como o conhecemos hoje”, aponta o relatório.

 

As atividades humanas foram apontadas como as causas da redução das espécies animais no relatório. Queima de combustíveis fósseis, desmatamento excessivo das florestas, construção de cidades em áreas de preservação, despejo indevido de resíduos nos rios e mares, são todas atividades que deixam a Terra propícia para a extinção dos animais. Outro ponto destacado pelo relatório é que as populações humanas cresceram rapidamente e sobrecarregaram muitos ecossistemas com estilos de vida insustentáveis.

[ PAS ] [ Fotos: Reprodução / PAS ]

Jornal Ciência