Os diferentes açúcares têm efeitos variados na saúde?

de Julia Moretto 0

Um recente artigo publicado no Medical Journal of Australia descobriu que os refrigerantes australianos e europeus continham maiores concentrações de glicose e menos frutose que os refrigerantes nos EUA.

A concentração total de glicose dos refrigerantes australianos foi, em média, 22% maior que nas formulações dos EUA. Além disso, foi comparada a composição de açúcares em quatro marcas populares, comercializadas globalmente – Coca-Cola, Fanta, Sprite e Pepsi – usando amostras da Austrália, Europa e EUA.

Embora a concentração total de açúcar não tenha diferido significativamente entre as marcas ou a localização geográfica, houve diferenças entre os países nas concentrações de açúcares particulares, mesmo quando as bebidas foram comercializadas sob o mesmo nome comercial.

Se essas diferenças têm efeitos distintos sobre a saúde a longo prazo atualmente não estão claras. Certamente, o excesso de consumo de glicose ou frutose contribuirá para o aumento de peso, que está associado a uma série de condições de saúde, como diabetes tipo 2 e doença cardíaca.

E como o corpo metaboliza glicose e frutose de diferentes maneiras, seus efeitos podem ser diferentes.

Sacarose, glicose e frutose

Os refrigerantes são bebidas não alcoólicas, carbonatadas e açucaradas. A Austrália ocupa o sétimo lugar entre os dez melhores países para as vendas de refrigerantes per capita. 

Os açúcares são o principal ingrediente em refrigerantes e incluem glicose, frutose e sacarose. A fonte de açúcares em refrigerantes populares varia entre regiões globais.

Isso ocorre porque os açúcares são provenientes de culturas diferentes em variadas áreas do mundo. Os refrigerantes na Austrália são principalmente adoçados com sacarose da cana-de-açúcar.

A sacarose, muitas vezes referida como “açúcar de mesa”, é composta por uma molécula de glicose e uma molécula de frutose unidas por ligações químicas.

Isso significa que quantidades iguais de glicose e frutose são liberadas na corrente sanguínea quando a sacarose é digerida.

No exterior, os refrigerantes são adoçados com açúcar de beterraba (Europa) ou xarope de milho com alto teor de frutose (EUA). O xarope de milho com alto teor de frutose também é constituído por glicose e frutose, mas contém uma relação maior de frutose para glicose do que a sacarose.

Eles têm diferentes impactos na saúde?

O consumo excessivo de frutose é conhecido por contribuir para a doença hepática gordurosa. Alguns pesquisadores sugeriram que muita frutose na dieta pode prejudicar o fígado de forma semelhante ao álcool. No entanto, esta preocupação está relacionada à frutose adicionada na dieta e não a fontes naturais.

Fontes naturais de frutose, como frutas, mel e alguns vegetais, geralmente não são consumidas e fornecem outros nutrientes importantes, como fibras e vitaminas. Assim, a fruta geralmente não representa um risco de doença hepática gordurosa.

O alto consumo de glicose eleva rapidamente a glicemia e a insulina. Isso pode afetar a função cerebral, incluindo humor e fadiga. Uma vez que a hiperglicemia está ligada à diabetes, o consumo de bebidas com alto teor de glicose também pode aumentar o risco de diabetes e doença cardiovascular (coração).

Todos os refrigerantes são considerados densos em energia, pobres em nutrientes e ruins para a saúde. No entanto, um dos desafios inerentes no campo foi uma incapacidade de determinar a dose real de glicose ou frutose nestas bebidas.

Os estudos que seguem as pessoas ao longo do tempo e o vínculo entre o consumo de refrigerantes e os efeitos adversos para a saúde são complicados por não saber se os indivíduos desses estudos estão simplesmente comendo muitos alimentos ricos em energia ou se o consumo de refrigerantes coincide com outros comportamentos ​​de saúde.

Portanto, pesquisas adicionais são necessárias para determinar se os refrigerantes contendo variadas concentrações de frutose e glicose estão associados a diferentes riscos para a saúde.

Políticas de refrigerantes

Ainda há muito a aprender sobre as diferenças na composição de açúcares e padrões de ingestão de refrigerantes entre os países.

Um pequeno número de países, incluindo México e França, já implementaram impostos sobre refrigerantes. Resta determinar se essas ações reduzem a incidência de obesidade, diabetes e doenças cardíacas.

Os decisores políticos australianos ainda não tomaram medidas para reduzir o consumo de refrigerantes. Uma série de estratégias de intervenção foram consideradas, incluindo a proibição de refrigerantes açucarados em escolas e hospitais, tributação e regulamentação do marketing de bebidas.

Artigo originalmente publicado em The Conversation.

Fonte: Science Alert Foto: Reprodução / Science Alert

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!
error: Proibida a cópia sem autorização.