Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Refrigerantes e balas sem açúcar fazem tão mal aos dentes quanto as versões convencionais

de Merelyn Cerqueira 0

Já passou o tempo em que somente o açúcar era considerado o grande causador das cáries. Versões sem açúcar de alguns alimentos também podem ser responsáveis por esse problema. Refrigerantes “zero” e balas diets também podem provocar o desgaste dos dentes.

Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Melbourne, na Austrália, analisou refrigerantes, bebidas esportivas e outros 21 alimentos com e sem açúcar. O resultado foi que a maioria deles apresentou aditivos acidificados e valores baixos de pH. O grau de acidez pode prejudicar os dentes, por mais que não haja açúcar na fórmula do alimento ou bebida e que seu consumo seja limitado – no caso dos refrigerantes – em apenas um copo por dia. Já balas sem açúcar foram associadas com perda e desgaste das superfícies dos dentes.

carie

O pH de um refrigerante diet varia entre 2,47 e 3,35. Já o de nossa boca fica em torno de 6,2 e 7, algo ligeiramente mais ácido do que a água. Logo, uma bebida com pH de 5,2 – 5,5, ou menos, já é capaz de dissolver o esmalte dos dentes.

As bebidas “zero”, mesmo livres de açúcar, contêm grandes quantidades de ácido cítrico (que dá o gosto marcante) e fosfórico. Uma série de estudos realizados mostrou que uma vez que o ácido cítrico se liga ao cálcio, pode comprometer a saúde dos dentes, deixando-os susceptíveis às machas e cáries.

Logo, a recomendação é que se evitem alimentos e bebidas com esses aditivos – algo que pode ser feito através da verificação das embalagens – embora seja possível encontrar refrigerantes e produtos sem ácido fosfórico, mas sendo quase impossível encontrar algum sem ácido cítrico.

É importante também evitar tomar qualquer tipo de refrigerante pela manhã, já que nesse período nossos níveis de cálcio na saliva são mais baixos e os dentes ficam mais vulneráveis.

[ Foto: Reprodução / Pixabay ]

Jornal Ciência