O que existe por trás da foto que rodou o mundo do menino brasileiro tomando banho com onças-pintadas?

de Otto Valverde 0

Uma foto curiosa chamou a atenção do mundo tornando-se viral em pouco tempo nas principais redes sociais como Twitter, Facebook e Instagram.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

A imagem mostra um menino abraçando e tomando banho junto com duas onças-pintadas.

Após publicada, surgiram diversas dúvidas sobre a autenticidade da imagem e sobre possíveis montagens.

Mas, depois das suspeitas levantadas terem sido devidamente descartadas, a foto é real e por trás dela existe uma história incrível que ganhou o coração de muitos leitores.

O menino chama-se Tiago Silveira e está acostumado a brincar com onças desde criança: “Muitos acreditaram que a imagem é falsa, mas eu convivi com onças por toda a minha vida, eu faço isso por amor, então eu apenas compartilhei minha experiência com as pessoas que não têm a mesma sorte que eu”, comentou Tiago em entrevista à BBC

Os pais de Tiago, Leandro e Anah, são biólogos e coordenadores do Instituto Jaguar do Brasil (IOP) – localizado no estado do Goiás – que busca estudar e preservar as onças.

“Tiago nasceu em um ambiente com onças; ele aprendeu a lidar com elas desde que era apenas um bebê. Nós lhe ensinamos limites, mas ele já sabe como se comportar, é natural que ele conviva com elas. Elas são parte de sua vida”, comentaram os pais, de acordo com o site latino Entérate de Algo.

Três filhotes de onça-pintada nasceram logo após Tiago também nascer. Muitas vezes ele dava mamadeira para os felinos e isso criou uma relação de proximidade.

Aparentemente, Tiago é muito feliz por ter tido o privilégio de ser criado com animais que são admirados em todo o mundo por sua beleza.

“É uma relação de amor e amizade, eu amo ajudar meus pais com o cuidado dos animais”, comentou Tiago.

Tiago foi instruído pelo pai com as mesmas lições que ele dá para o público em geral sobre como tratar os felinos e como se dá essa convivência.

Isso, é claro, é mais do que necessário, pois estamos falando de animais selvagens e não de animais domésticos, e sempre é necessário precaução e atenção redobradas.

O biólogo Leandro comentou que os felinos simplesmente reagem às nossas ações, já que eles não têm os seres humanos como presas, mas devemos respeitá-los acima de tudo.

“A linguagem corporal deles irá dizer se é bom se aproximar ou não, quando a onça quer proximidade, ela chegará até você. Apesar de não ser muito sociável, ela pode criar vínculos com humanos para toda a vida”.

Ele salienta ainda que existem regras de segurança muito claras e que sempre cuidam das onças e de qualquer animal seguindo estes princípios.

A reserva onde os felinos vivem possui área total de 50 hectares e não permite acesso aos visitantes.

O instituto foi criado inicialmente para estudar as onças-pintadas, mas em seguida os planos mudaram e eles começaram a criar filhotes órfãos. A criação destes animais ocupa metade da propriedade.

Para cuidar de tudo isso, estima-se que 95% do dinheiro seja financiado pelo próprio casal e o restante vem de doações.

“Estamos sempre tentando encontrar uma fonte de renda porque nunca recebemos financiamento público”, comentaram.

Atualmente, a família cuida de 14 onças, entre adultos e filhotes. Só nos últimos 10 anos foram mais de 35 animais acolhidos.

Após todo este processo, os animais geralmente são enviados para outros institutos para ajudar na reprodução e preservação das espécies.

Saiba mais!

A onça-pintada é o terceiro maior felino do mundo, ficando atrás apenas do tigre e do leão, mas é o maior felino do continente americano.

Elas estão distribuídas em cerca de 21 países, mas só no Brasil estima-se que vivam mais de 50% do total destes felinos.

A onça-pintada é uma das espécies ameaçadas de extinção, estando na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza.

Os animais criados pelo instituto não podem ser devolvidos para as matas, pelo risco de serem mortos pelos seres humanos, já que se tornam menos ariscos.

VOCÊ PODE AJUDAR!

O Instituto Jaguar do Brasil (IOP) aceita doações através de PayPal e o processo é muito simples.

Basta clicar neste link, entrar na home page do projeto e verificar o símbolo “doar” no canto superior direito e seguir os passos. Além disso, você também pode “adotar” uma onça-pintada, ajudando também com doações para manter sua sobrevivência!

Foto: Divulgação / Arquivo Pessoal

Jornal Ciência