Macaco obeso da Tailândia choca especialistas e é enviado para SPA de animais

de Gustavo Teixera 0

Muitas pessoas dão comida de suas próprias refeições para seus animais de estimação. Mas, este caso vai fazer você pensar duas vezes antes de fazer isso.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Segundo o site Live Science, um macaco que vive em um parque próximo a um ponto turístico de Bangkok, na Tailândia está obeso e já atingiu o dobro do seu peso normal após os visitantes do parque o alimentaram com diversas guloseimas. 

Carinhosamente apelidado de “Tio Gordo” ele está pesando cerca de 15 quilos, sendo que o peso considerado normal para a espécie é de 6 a 7 quilos.

macaco-obeso-4

O parque onde o macaco obeso vive fica próximo a uma feira onde alimentos são comercializados, e isso pode explicar o fato de muitos turistas alimentarem o “Tio Gordo”. 

As comidas favoritas do macaco obeso são milk-shakes, milho cozido, melões doces e macarrão, sendo que todos esses alimentos são considerados impróprios para os macacos.

macaco-obeso-3

As fotos impactantes de “Tio Gordo” chamaram a atenção de alguns especialistas, que se prontificaram a resgatar o animal e colocaram o macaco numa espécie de “SPA para animais”. 

Mais precisamente, ele foi levado a um local que fica há mais de 160 quilômetros de distância do parque para viver uma rotina com exercícios e alimentação saudável.

macaco-obeso-2

Os especialistas indicam que é comum ainda encontrar animais de estimação acima do peso, pois os donos os alimentam com comida de humanos, que são muito calóricas para os animais. Além disso, quando acima do peso, os bichinhos também podem ter doenças metabólicas, como diabetes.

Um levantamento realizado pelo Universidade do Alabama, nos Estados Unidos, com espécies que vivem em cativeiro revelou que muitas estão desenvolvendo obesidade e excesso de peso. De acordo com o estudo, cerca de 40% dos elefantes africanos que vivem em zoológicos estão acima do peso.

Fonte: Live Science Fotos: Reprodução / Live Science

Jornal Ciência