Jovem quase morre da Síndrome do Choque Tóxico após usar absorvente interno por 9 dias

de Merelyn Cerqueira 0

A estudante foi vítima da Síndrome do Choque Tóxico e foi parar na UTI ao descobrir o objeto que, segundo ela, “estava completamente preto”.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

 

Emily Pankhurst, 20 anos, estuda criminologia na Universidade de Canterbury, Kent, no Reino Unido. A jovem recentemente foi notícia nos tabloides locais pelo fato de simplesmente ter esquecido um absorvente interno em seu corpo por nove dias. Após sofrer um choque tóxico e quase morrer, ela foi encaminhada à UTI, onde permaneceu por três dias.

 

Quando eu finalmente percebi que o absorvente ainda estava em mim, puxei-o para fora e percebi que ele estava completamente preto, obviamente revestido de bactérias”, disse ela em entrevista ao jornal inglês Mirror. “Eu não sabia diferenciar o que era o algodão ou corda, foi horrível. Eu imediatamente me atirei no chão do banheiro, sentia-me doente”.  Meia hora depois, Emily afirmou ter sentido a fala arrastada, notado algumas manchas na pele e fraqueza, o que a fez chamar por socorro médico.  

Durante a viagem os paramédicos disseram que eu estava exibindo todos os sintomas de infecção generalizada, e as sirenes da ambulância foram ligadas, porque tinha se tornado um caso de emergência”, contou. Já no hospital, a jovem precisou ser transferida para a UTI, onde ficou, por três dias, tomando 12 tipos diferentes de antibióticos na veia. “Eu nunca tinha sentido uma dor como aquela, precisei ser medicada com morfina. Os médicos disseram que se eu tivesse deixado o absorvente por mais um tempo, estaria morta”, completou.

De acordo com o NHS Choices, um site inglês de especialistas em saúde, a relação dos absorventes internos na Síndrome do Choque Tóxico ainda permanece inexplicável. “Uma das teorias sugere que, se um absorvente é deixado na vagina durante algum tempo, como frequentemente acontece, pode tornar-se um terreno fértil para as bactérias”.

A Síndrome do Choque Tóxico é uma infecção rara causada, geralmente, pelas bactérias Staphylococcus aureus e Streptococcus pyogenes. Esses microrganismos são inofensivos quando vivem fora do corpo, na pele, nariz ou boca. Porém, quando invadem a corrente sanguínea podem liberar toxinas venenosas que causam danos nos tecidos além de perturbarem o funcionamento de órgãos vitais. Em alguns casos, as vítimas precisam ter membros amputados, em outros, simplesmente morrem.

[ Mirror / NHS / Terra ] [ Foto: Reprodução / Mirror ]

Jornal Ciência