Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Híbrido de urso-pardo com polar pode ser resultado da diminuição de habitat

de Merelyn Cerqueira 0

Imagens de ursos-polares lutando por pedaços desolados de gelos se tornaram propaganda mundial para a conscientização a respeito das mudanças climáticas.

 

Isso porque, esses animais de grande porte são os primeiros a sofrerem com o derretimento das calotas polares no Ártico. Recentemente, a morte de um espécime no Canadá, pelas mãos de um caçador, chamou atenção para uma tendência emergente e preocupante sobre a inevitável morte das espécies de ursos árticos. O fato é que o animal abatido era um híbrido de urso-polar com pardo.

hibrido-urso_02

Segundo o caçador, Didji Ishalook, o animal se assemelhava à espécie polar, mas tinha garras e patas marrons. A improbabilidade do caso se dá devido aos distintos habitats naturais de ambos os ursos. Os polares costumam habitar os climas mais gelados do Norte, passando grande parte do tempo dentro de águas geladas.

 

Eles se alimentam de focas, peixes e restos mortais de animais. Já os pardos são terrestres e alimentam-se de qualquer coisa que possam encontrar. Contudo, conforme o gelo do Ártico diminui, os ursos-polares perdem seu habitat natural, enquanto os pardos vão se expandido para o Norte, aumentando a probabilidade de contato.

 

Em um antigo publicado no Washington Post, especialistas alertaram que essa relação poderia beneficiar a espécie parda, que supera substancialmente os seus primos do Norte. Assim, conforme entram em declínio, os genes dos ursos-polares vão diminuindo e sendo encobertos por novas contribuições. O que significa que, eventualmente, as proles, que já estão ameaçadas, serão cada vez menores e mais próximas dos pardos. Em outras palavras, os eventos de hibridização natural poderão evoluir para uma eliminação progressiva de espécies.

 

O híbrido abatido pelo caçador canadense foi encontrado a cerca de 260 quilômetros de Churchill, uma região famosa pela presença ursídea. Ele ainda não foi geneticamente testado, mas os biólogos estão confiantes de que não se trata de um urso-pardo albino, uma vez que possui pigmentação no nariz, olhos e garras.

 

Até o momento, segundo o Mail Online, foram registrados apenas três casos de animais híbridos na natureza, e conforme a região Norte do Planeta continua a mudar, é bem provável que esse emparelhamento tenha cada vez mais lugar na biologia.

[ Daily Mail ] [ Fotos: Reprodução / Daily Mail ]

Jornal Ciência