Fertilidade masculina não dura para sempre: homens também experimentam “relógio biológico”, sugere estudo de Harvard

de Merelyn Cerqueira 0

Embora seja bem compreendido que as mulheres começam a sofrer um declínio de fertilidade ao longo dos 30 anos, cientistas encontraram novas evidências sugerindo que os homens também tenham um “relógio biológico” que limita sua capacidade de se reproduzirem à medida que envelhecem.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

O novo estudo basicamente mostrou que as taxas de sucesso para a fertilização in vitro (FIV) também são afetadas pela idade do parceiro masculino. Com informações da Science Alert.

A pesquisa foi liderada pela bióloga e especialista em reprodução humana, Laura Dodge, da Universidade de Harvard. Ela mostra que quando se trata de produzir bebês através da FIV, não é apenas a idade da mulher que importa, embora este possa ser um fator dominante.

A equipe de Dodge analisou 15 anos de tratamentos de FIV realizados em Boston (EUA) entre os anos de 2000 e 2014, abrangendo cerca de 19 mil ciclos realizados para quase 8.000 casais. 

Os pesquisadores descobriram que, à medida que os homens do casal envelheciam, as chances de nascimentos bem-sucedidos eram reduzidas. No entanto, o efeito só era mais aparente em casais cuja mulher não tinha mais de 40 anos.

A partir do prévio conjunto de dados, os pesquisadores dividiram os participantes (homens e mulheres) do estudo em quatro faixas etárias: menores de 30, 30-35 anos, 35-40 e 40-42.

A taxa cumulativa de natalidade – medida de até seis ciclos de tratamento FIV – foi menor entre os casais cuja mulher tinha entre 40-42 anos, o que não foi considerado exatamente uma surpresa, dado o que os pesquisadores já sabiam a respeito da redução de fertilidade em mulheres mais velhas. Logo, neste grupo, a idade dos homens não teve impacto no sucesso do tratamento.

Contudo, essas taxas de sucesso diminuíram quando as mulheres eram mais jovens e os homens mais velhos. “De modo geral, não vimos nenhum declínio significativo no nascimento vivo cumulativo quando as mulheres tinham um parceiro masculino da mesma idade ou mais novo”, explicou Dodge.

“No entanto, as mulheres com idade entre 35 e 40 anos se beneficiaram significativamente de ter um parceiro masculino com menos de 30 anos, uma vez que viram uma melhoria relativa de quase 30% na incidência cumulativa de nascimentos vivos quando comparada às mulheres cujo parceiro era de 30 a 35 anos – de 54% a 70%”.

Da mesma forma, as mulheres mais velhas foram beneficiadas em relação ao tratamento FIV quando os parceiros masculinos eram mais velhos. 

No estudo, os casais cuja mulher tinha menos de 30 anos e o homem entre 40-42, a taxa cumulativa de natalidade era de 46%. Mas, se a idade do parceiro masculino era de 30-35, esse número subia para 73%.

“Para as mulheres com idades entre 30 e 35 anos, ter um parceiro mais velho está associado a uma redução relativa de aproximadamente 11% na incidência cumulativa de nascimentos vivos, quando comparado a ter um parceiro do sexo masculino na mesma idade”.

Quanto ao fato de os homens mais velhos terem menos sucesso com a FIV, os pesquisadores ainda não estão completamente certos, e pretendem realizar novos estudos para descobrir melhor o que acontece.

Eles sugerem que tudo possa estar relacionado ao esperma danificado, que afeta as perspectivas de fertilidade à medida que os homens envelhecem.

Vale ressaltar que o estudo, que foi apresentado recentemente na reunião anual da Sociedade Europeia de Reprodução e Embriologia na Suíça, ainda não foi revisado por um grupo independente de cientistas. Logo, deve-se ter isso em mente na hora de considerar as descobertas.

Contudo, os pesquisadores acreditam que os resultados preliminares poderiam ajudar especialistas a considerar uma maior variedade de fatores que podem afetar as taxas de sucesso dos tratamentos, não se limitando apenas à idade da mulher.  

Fonte: Science Alert / The Guardian Foto: Reprodução / Wikipédia

Jornal Ciência