Esposa leva marido “constipado” ao hospital e médicos encontram garrafa presa no intestino

A garrafa possuía 19 cm e foi inserida pelo paciente via retal. Incapaz de retirar o objeto por 3 dias, foi parar no pronto-socorro

de Redação Jornal Ciência 0

O caso de um homem iraniano foi tema de publicação científica sobre estudo e caso após médicos retirarem, via anal, uma garrafa d’água de 19 cm.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

O homem, de 50 anos, que dizia estar “constipado”, estava em pânico com a possível reação de sua esposa, e demorou 3 dias para procurar ajuda médica.

A esposa, que não imaginava o que estava ocorrendo, levou o marido ao hospital por estar sem comer, sentindo fortes dores no abdômen e incapacidade de ir ao banheiro. Ao chegar, o paciente não informou aos médicos que tinha uma garrafa d´água de 250 ml dentro do intestino.

Somente após a tomografia computadorizada ficou constatado, pelo formato do objeto, o que tinha acontecido. O caso foi publicado, sem identificar o paciente, na revista Clinical Case Reports.

Após o exame, ele contou que inseriu a garrafa, imaginando que conseguiria retirá-la segurando a tampa. Mas, não conseguiu puxar o objeto, ficando alojado completamente em seu intestino grosso.

Os médicos do Hospital Imam Khomeini, em Sari, capital da província de Mazandarão, no Irã, disseram que o paciente não explicou o motivo de ter inserido o objeto em seu ânus.

Mas, cirurgiões do aparelho digestivo sabem que estes casos possuem relação direta com o prazer sexual que estes pacientes sentem com a introdução anal de objetos. Em geral, quando algo grave ocorre, escondem a prática por vergonha, tabu e medo de sofrerem humilhações.

O paciente foi levado às pressas para um procedimento cirúrgico onde recebeu anestesia e sedação para relaxar o músculo do esfíncter anal. Os médicos, cuidadosamente, conseguiram retirar a garrafa pelo ânus, sem lesões ou sangramento.

Objetos inseridos no reto podem perfurar o intestino, o que pode ser fatal se fezes vazarem para o interior do abdômen, podendo gerar infecção generalizada. Após 3 dias de internação, o paciente foi liberado e enviado para uma clínica psiquiátrica.

A questão causa constrangimento em pacientes de qualquer parte do mundo, mas em países como o Irã, onde a prática sexual com pessoas do mesmo sexo é crime e pode ser punida com prisão, punição corporal e até execução, a questão torna-se ainda mais complexa.

Desde 1970, mais de 5.000 gays foram assassinados no Irã em decorrência da orientação sexual, de acordo com a Anistia Internacional.

No estudo de caso, os médicos relataram que a maioria das inserções de objetos pelo ânus que ficam presos no intestino, ocorre em homens com idade entre 30 e 40 anos.

Eles acrescentaram que itens como lâmpadas, garrafas, cassetetes, latas de spray corporal (como desodorante) e objetos cilíndricos de cozinha, são os mais encontrados nos pacientes.

O jornal britânico Daily Mail relatou que o NHS (sistema público de saúde do Reino Unido) disse que, apenas no ano passado, 400 objetos inseridos via retal foram retirados dos ingleses.

Por que a inserção de objetos pelo ânus?

O principal motivo para este comportamento é o prazer sexual. Isso se deve, em parte, ao grande número de terminações nervosas que existem no ânus, que geram prazer.

Além disso, a próstata também é considerada uma zona erógena masculina. Para as mulheres, a inserção também pode estimular, indiretamente, terminações nervosas de partes da vagina. Existem poucos casos relatados em que a inserção tem como motivação distúrbios psicológicos ou doenças psiquiátricas.

Fonte(s): Clinical Case Reports  / Daily Mail Imagens: Reprodução / Clinical Case Reports

Jornal Ciência