Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Você sabe o que acontece com os implantes de silicone quando uma pessoa é cremada?

de Redação Jornal Ciência 0

Quando uma pessoa falecida é cremada, o corpo é derretido, os ossos são moídos, e tudo o que resta é uma pilha de cinzas.

 

 Isto é, a menos que essa pessoa falecida tenha implantes mamários de silicone. Eles deixam para trás uma gosma pegajosa, para o azar de um trabalhador do crematório, que precisa raspar a maquinaria para limpá-la

.

Caitlin Doughty, de 31 anos, é uma agente funerária, de Los Angeles, nos EUA, que responde às perguntas difíceis sobre o tema em seu canal do YouTube, por vezes mórbido, muitas vezes engraçado, e sempre fascinante. O canal, chamado ‘Ask a Mortician, revelou o que realmente acontece com as próteses de seios após a cremação.

protese-de-silicone_2

Quando um cadáver é submetido ao calor de 1.500 ºC, toda sua matéria orgânica queima e desaparece. Mas, os implantes de silicone suportam o calor, virando uma substância gosmenta que requer limpeza extra aos técnicos de cremação. “Na prática, [os implantes] são geralmente cremados com o corpo, mas eles têm o potencial de derreter e deixar uma gosma gelatinosa presa ao fundo da máquina”, disse Caitlin, que também já escreveu livros sobre o tema.

protese-de-silicone_4

Embora alguns implantes, como os marca-passos (que podem explodir com o calor extremo), sejam sempre removidos antes da cremação, os implantes mamários não necessitam de tal remoção. “Há uma grande citação da Associação de Cremação da América do Norte [CANA] que basicamente diz: Não se preocupe com isso, não é grande coisa. O que eles querem dizer, na verdade, é: Não se preocupe com isso, vamos raspar a gosma da máquina. Somos profissionais da morte!”, disse Caitlin em um de seus vídeos.

protese-de-silicone_3

No entanto, alguns crematórios, de fato, insistem na remoção de implantes de mama, seja por qualquer embalsamador ou por um cirurgião, para tornar o processo de limpeza um pouco menos complicado. Este problema específico ainda é relativamente novo na história da cremação, já que implantes mamários de silicone só foram desenvolvidos em 1961, e usados pela primeira vez em 1962.

 

Porém, é um problema crescente. De acordo com a Fox News, 286.250 cirurgias de aumento de mama foram realizadas nos EUA, no ano passado, tornando-se o procedimento cosmético mais solicitado de 2014. Destes aumentos, 77% eram próteses de silicone. E isso é só nos EUA. Desde 2011, de acordo com a Food and Drug Administration (FDA), existem de cinco a dez milhões de mulheres, em todo o mundo, com silicone ou implantes mamários salinos. Mas os salinos não causam o mesmo efeito na cremação.

 

Embora os implantes de silicone realmente façam os trabalhadores de crematórios trabalharem em dobro, eles não são os únicos remanescentes do corpo que se recusam a serem queimados. “Depois de uma cremação, tudo o que resta é uma pilha de ossos inorgânicos. Todo o resto – cabelo, roupas, órgãos – é queimado. Exceto metal. Antes dos ossos serem moídos para a confecção do que nós conhecemos como cinzas ou restos cremados, o metal era removido manualmente, ou por um grande ímã”, ela revela. Metais, geralmente de próteses, é jogado fora ou reciclado, sendo derretido para fazer placas de trânsito, peças de avião, e autopeças.

[ Daily Mail ] [ Fotos: Reprodução / Daily Mail / CBS News ]

Jornal Ciência