Nova técnica de tatuagem deixa queimaduras e cicatrizes invisíveis recuperando autoestima

de Redação Jornal Ciência 0

Cicatrizes, marcas e queimaduras deixam um verdadeiro trauma e abala a autoestima de boa parte das pessoas. Algumas cirurgias plásticas conseguem aliviar ou amenizar a aparência estética destes problemas, mas o resultado 100% satisfatório nem sempre é alcançado.

Um dos exemplos clássicos é da iraquiana Basma Hameed, de 28 anos, vítima de um ataque brutal há dois anos. Suas lesões atingiram mais de 40% de seu rosto. Mesmo passando por 100 cirurgias, ela não atingiu o efeito desejado.

basma-hameed-tatuagem-contra-queimaduras

Cansada e insatisfeita dos procedimentos cirúrgicos, resolveu recuperar a pigmentação natural de sua pele através de tatuagens especiais. Depois de se mudar para o Canadá, Basma realizou uma série de recursos para melhorar sua aparência, como tatuagem definitiva em suas sobrancelhas que já não existiam mais.

O mais incrível é que, após ver os resultados em si, resolveu estudar e desenvolveu uma nova técnica, por conta própria, chamada de micropigmentação paramédica – um tipo de tatuagem em que a filosofia central é promover a cobertura de lesões, queimaduras e cicatrizes com a cor original que a pele tinha antes do acidente.

basma-hameed-tatuagem-contra-queimaduras_3

Não existem muitos especialistas na área, e a técnica é extremamente desconhecida. Um dos problemas está no fato da dificuldade em atingir a perfeição na cor da pele do paciente, especialmente no rosto, onde não há margem para erros.

Como Basma desenvolveu a técnica, resolveu não ter medo e testou em seu próprio rosto. Ela criou os próprios corantes usados e conseguiu camuflar com uma margem de perfeição muito grande.

Basma Hameed, comentando sobre sua nova profissão, disse: “Ao longo dos anos, desenvolvi minhas próprias pigmentações. Sei como a pele danificada reage a diferentes tipos de cores e também sei qual é o limite das minhas intervenções, o quanto a pele pode aguentar”.

basma-hameed-tatuagem-contra-queimaduras_2

Ela abriu uma nova clínica em North York, no Canadá, e também uma em Chicago, nos EUA. Vários clientes retomam sua autoestima, e Basma comenta alguns casos: “Eles não saíam de casa. Não trabalhavam fora e não gostavam de se relacionar; tudo por causa das cicatrizes”.

Uma de suas clientes, Samira Omar, de 17 anos, sofreu um ataque com água fervente jogada por “colegas” de escola que praticavam bullying. Após o tratamento com a tatuagem estética, ela retomou sua vida. Confira o vídeo abaixo:

[ Medical Daily ] [ Fotos: Divulgação / Basma Hameed e CBC News ]

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Jornal Ciência