Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

“Luluzinha”: mulheres estão pagando R$ 10 mil para participar de clube proibido para homens em Nova York

de Merelyn Cerqueira 0

Fundando em outubro de 2016 por Audrey Gelman e Lauren Kassan, um clube social exclusivo para mulheres tem causado frisson em Nova York (EUA).

Com 1.500 membros e uma lista de espera de 8.000, as taxas de associação variam entre R$ 8.000 e R$ 10 mil.

O clube promete comodidades como WiFi de qualidade rápida, piscinas, restaurantes, cinema, café e até mesmo uma biblioteca. A única coisa que não tem ali, no entanto, é a presença masculina.

Chamado de The Wing, a empresa já arrecadou um investimento total superior os R$ 100 milhões, de acordo com a Business Insider

Atualmente, ele opera com cerca de 1.500 membros que estão divididos entre duas unidades localizadas em Manhattan, uma no charmoso bairro Soho e outra em Flatiron.

De acordo com o site do clube, o local oferece espaços de trabalho abertos e privados, além de comodidades concebidas de acordo com a necessidade das mulheres.

A adesão também fornece um calendário robusto de eventos destinado a mulheres dedicadas a “viver o melhor de suas vidas”.

Para fazer parte do The Wing a mulher deve primeiro se inscrever no site, optando por um dos dois passes de entrada: o mais Econômico e o TOP. Enquanto o primeiro tem acesso limitado as comodidades, o segundo é completamente aberto.

De acordo com Kassan, cofundadora do clube, a adesão não considera carreira, diversidade étnica ou racial, diversidade de uso ou faixa etária. De fato, há um valor mais baixo para a filiação infantil.

“A ideia original é de um espaço de conveniência, mas também de criar um espaço em que você possa conhecer novas mulheres”.

A maioria das mulheres membros, segundo ela, trabalham em indústrias criativas tradicionais, incluindo os setores de cinema, moda, publicidade, música, arte e mídia, e gostam do contato social com outras mulheres – longe dos homens, pelo menos ali dentro do círculo de amizade e convivência.

A empresa planeja expandir a ideia para outros países, já que a aceitação foi impressionante e acima de todas as expectativas.

Fonte: Daily Mail Fotos: Divulgação

Jornal Ciência