Este homem decidiu viver como se fosse um cachorro. Veja o que aconteceu!

de Merelyn Cerqueira 0

O que você faria se um homem adulto, vestido de dálmata e mastigando um brinquedo de borracha, cruzasse seu caminho?

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Basicamente, é isto que pode acontecer se Tom Peters, do Reino Unido, também conhecido como Spot, passar perto de você.

Peter admitiu ter um hobby bastante incomum: ele se veste e gosta de ser tratado como um cachorro. Logo, não somente anda em “quatro patas” como também se alimenta em tigelas e dorme em uma casinha.

homem-cachorro_1

Em 2016, ele e sua ex-noiva, Rachel Watson, foram ao programa The Morning para conversar sobre o hábito incomum.

Ele insistiu que seu comportamento faz não deve ser encarado como algo errado e que sua fantasia de cachorro é algo muito mais do que uma roupa ou jogos. Trata-se da liberdade de se comportar da maneira a qual se sente mais confortável, natural.

“As pessoas pensam nisso como ofensivo e que ninguém deveria ver”, disse. “Mas não faço isso para provocar. Faço para me divertir e, literalmente, ser tratado como um filhote de cachorro”.

homem-cachorro_2

Ele admitiu que gosta de fazer caminhadas, que sua barriga seja coçada e também aprecia um bom biscoito canino. No entanto, quando o assunto é banheiro, a história é diferente.

Eu volto a minha mentalidade humana para ir ao banheiro, confessou. Embora acredite que seu hobby é algo normal, nem todas as pessoas o veem assim.

Este #HumanPuppy está literalmente me assustando”, escreveu um usuário no Twitter no dia em que Tom apareceu na TV. No entanto, outros consideraram o hobby como uma diversão inofensiva, e que Tom tinha o direito de fazer o que bem quisesse com a própria vida.

homem-cachorro_3

Tom havia pedido Rachel em casamento sem lhe contar sobre seus hábitos caninos. Logo, o noivado acabou terminando. No entanto, a moça admitiu que a separação deixou-os mais próximos do que nunca.

“Eu queria que ele tivesse outros passatempos, possivelmente algo mais normal”, disse. Mas ele é como é. Quando é Spot se torna uma pessoa confiante, mas quando é Tom não entra em um bar e pede por uma bebida. Tenho orgulho dele por ser fiel consigo mesmo”, afirmou ela. “Eu sinto falta dele, mas estamos mais próximos e melhores”.

A vida de Tom foi explorada em um documentário, Secret Life of the Human Pups, produzido pelo All 4 (Channel 4), junto a outros membros da subcultura secreta de homens que se vestem e se comportam como cachorros.

Eles consideram que o hábito é como uma fuga do mundo analítico, feito de maneira não-verbal.

É pré-racional, pré-consciente, instintivo e emocional, disse um dos adeptos da subcultura, que atende pelo apelido de Bootbrush, e que também aparece no documentário.

Mas, dentro de cada cachorro há uma pessoa. Isso é parte da minha identidade, mas é apenas uma parte. Eu também sou vegetariano, toco piano; e tenho um papagaio.

De acordo com o psiquiatra Carl Jung (apesar do nome, não é o famoso psiquiatra e psicoterapeuta suíço que fundou a psicologia analítica e morreu em 1961), em entrevista ao The Guardian, nossas mentes conscientes possuem arquétipos intuitivos, emocionais, de sensação e de pensamento. Logo, estes homens estariam apenas explorando o seu “eu intuitivo”.

Fonte: The Guardian / Metro Fotos: Reprodução / Metro

Jornal Ciência