Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

É possível morrer de dor nos testículos?

de Merelyn Cerqueira 0

Em 2012, um caso bizarro que ocorreu na cidade Haikou, na província de Hainan, China, foi reportado pela imprensa local. Uma mulher, que tentava estacionar sua scooter em frente a uma loja teve problemas em fazê-lo porque um homem, de 42 anos, a impedia.

Ela, no entanto, após não conseguir convencê-lo verbalmente, resolveu apertar os seus testículos e ainda chamou o irmão e o marido para ajudar. Após um tempo sofrendo com a força da pressão o homem acabou desmaiando. Em seguida, foi levado a um hospital, onde morreu pouco tempo depois.

morrer-dor-testiculos

Para discutir uma pouco mais essa situação, o site Gizmodo entrevistou o urologista Dr. Irwin Goldstein, diretor da San Diego Sexual Medicine. Segundo ele, os testículos são extremamente sensíveis ao toque e por isso, quando chutados ou espremidos com força excessiva, há uma enorme liberação de adrenalina.

A dor testicular, segundo ele, é referida à parte inferior do abdômen, chamada plexo nervoso mesentérico, e é capaz de fazer qualquer homem parar abruptamente o que está fazendo para apenas deitar no chão, fechar os olhos, dobrar os joelhos e esperar que a dor passe. Ainda, segundo ele, um ataque cardíaco poderia resultar de uma dor testicular grave, o que poderia resultar em morte.

E por que dói tanto?

Para o urologista Mário Paranhos, do Hospital das Clínicas, em São Paulo, a dor severa ocorre porque o saco, ou escroto, é uma região rica em terminações nervosas, além de ser protegido por uma camada grossa de derme – o que também ocorre em áreas de grande sensibilidade, como a ponta dos dedos. Assim, como são extremamente sensíveis, “um impacto pode doer muito mais do que bater os dedos na mesa”, disse o especialista em entrevista à revista Mundo Interessante.

[ Fonte: Gizmodo ]

[ Fotos: Reprodução / Gizmodo ] 

Jornal Ciência